Escolha as suas informações

Dinis Moura apresenta "Confidências de um português indignadíssimo"
Cultura 2 min. 02.10.2014 Do nosso arquivo online
Dia 20 de Outubro

Dinis Moura apresenta "Confidências de um português indignadíssimo"

Dinis Moura reside no Luxemburgo há alguns anos
Dia 20 de Outubro

Dinis Moura apresenta "Confidências de um português indignadíssimo"

Dinis Moura reside no Luxemburgo há alguns anos
Foto: Gerry Huberty
Cultura 2 min. 02.10.2014 Do nosso arquivo online
Dia 20 de Outubro

Dinis Moura apresenta "Confidências de um português indignadíssimo"

O escritor português Dinis Moura, residente no Luxemburgo, vai apresentar o seu mais recente livro "Confidências de um português indignadíssimo", a 20 de Outubro no Instituto Camões.

O livro foi lançado há cerca de um ano em Portugal e esta é a primeira vez que vai ser apresentado no Grão-Ducado. Quando a obra saiu, o CONTACTO falou com o autor.

Como nos confiou na altura Dinis Moura, a obra tem o subtítulo "Opúsculo sobre o nosso crepúsculo" e é uma referência a um prefácio inexistente "por Pedro Passos Coelho, que preferiu não escrevê-lo".

É, nas palavras do escritor, "um livro de revolta, um livro político escrito por um apolítico." Dinis assume a sua postura contraditória quando afirma logo na primeira frase das notas do autor que "certos assuntos não merecem que se escreva sobre eles. Eis porque decidi […] animal político, porém despolitizado, escrever este opúsculo […]"

Trata-se de um livro híbrido que contém poemas, comentários breves, textos mais longos e ainda cartas, uma, aberta, ao primeiro-ministro de Portugal e outra ao Pai Natal a quem pede "um mágico [...] a solução mais eficaz e idónea [...] que solucionará todos os nossos problemas." Segundo o autor, os textos são recentes "foram escritos no final de 2012 e em 2013, com excepção de 'Elegia de um português sismativo', escrito há quatro anos." O poeta considera este texto mais antigo e "premonitório".

A indignação, o poeta dirige-se neste livro ao actual governo, a Passos Coelho e ao ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar, embora considere que os anteriores governos tenham sido igualmente maus. Mas a sua revolta também se dirige "ao povo português demasiado acomodado e passivo perante tudo o que tem tido de suportar." Convicto de que Portugal atravessa a sua hora mais negra, é no desespero que diz sentir com o seu país que encontra as palavras e metáforas violentas que utiliza na sua obra.

O livro está disponível em formato digital nas habituais lojas online. Experimentámos e encontrámo-lo, digitando o nome dinismoura, por exemplo nos sites da Wook e da Amazon.

António Manuel Dinis Moura é natural de Lorija, na Serra da Estrela, é licenciado em Língua e Cultura Portuguesa e tem mestrado em Cultura Portuguesa.Em 2011, o seu conto “A admirável história de Rafael Pintor”, recebeu uma menção honrosa naquele que é um dos mais prestigiados prémios de literatura infantil em Portugal: o Concurso Lusófono da Trofa – Conto Infantil – Prémio Matilde Rosa Araújo.

JLC/VH


Notícias relacionadas

O convite ao ilustrador português André Letria, para vir ao Luxemburgo, começou com o propósito de este realizar atividades pedagógicas com crianças, em Ettlebruck. Mas rapidamente se estendeu à publicação de uma edição bilingue - em português e luxemburguês - da obra infantil, "Se Eu Fosse Um Livro".
Português participou na Primavera dos Poetas
O poeta português António Carlos Cortez participou no sábado na 8ª edição da Primavera dos Poetas, na Abadia de Neimënster. O tema foi A Insurreição Poética, uma temática em que o escritor se revê.
António Carlos Cortez recitando um poema