Escolha as suas informações

De 11 a 15 de Outubro: Festival Atlântico promove música lusófona no Luxemburgo

De 11 a 15 de Outubro: Festival Atlântico promove música lusófona no Luxemburgo

Cultura 1 2 min. 08.10.2016

De 11 a 15 de Outubro: Festival Atlântico promove música lusófona no Luxemburgo

O primeiro festival de música lusófona no Luxemburgo arranca a 11 de Outubro na Philharmonie, a maior sala de espectáculos do país, com nomes como António Zambujo, Mayra Andrade ou Mário Laginha.

O primeiro festival de música lusófona no Luxemburgo arranca a 11 de Outubro na Philharmonie, a maior sala de espectáculos do país, com nomes como António Zambujo, Mayra Andrade ou Mário Laginha.

Músicos de Portugal, Angola, Cabo Verde e Brasil fazem parte do cartaz desta primeira edição do festival, que visa "celebrar as tradições musicais dos países lusófonos", mostrando "a riqueza musical" destes países, "do fado à bossa nova, passando pela morna ou pelo jazz contemporâneo", segundo a organização.

Os portugueses Dead Combo, o angolano Waldemar Bastos, o cantor brasileiro Moreno Veloso e o pianista português Júlio Resende completam o cartaz, que inclui sete concertos em cinco dias.

O festival Atlântico surge "de forma natural, porque no Luxemburgo 20 por cento da população fala português", disse à Lusa Francisco Sassetti, responsável da programação de Jazz e Música do Mundo na Philharmonie, uma instituição que integra a "European Concert Hall Organisation" (ECHO), de que fazem também parte a Gulbenkian e a Casa da Música, no Porto.

A Philharmonie recebe a primeira edição do Festival Atlântico, de 11 a 15 de Outubro de 2016.
A Philharmonie recebe a primeira edição do Festival Atlântico, de 11 a 15 de Outubro de 2016.
Foto: Anouk Antony

"Como a instituição cultural mais importante do país, é natural que a Philharmonie dedicasse um festival a esta cultura musical, que nem sempre tem a visibilidade que merece", acrescentou o português, que antes de chegar à Philharmonie foi responsável pela programação de jazz no Centro Cultural de Belém.

A ideia do festival Atlântico "é criar pontes, não só geográficas, mas também culturais e poéticas", tendo a Philharmonie desafiado os músicos a actuar com convidados especiais.

A cantora cabo-verdiana Mayra Andrade convidou a brasileira Maria Gadú, "fazendo a ponte entre Cabo Verde e o Brasil", enquanto o português António Zambujo convidou "o grande guitarrista brasileiro Marcello Gonçalves", explicou Francisco Sassetti.

O pianista Júlio Resende tem como convidado Moreno Veloso, filho de Caetano Veloso, enquanto o trio de Mário Laginha actua com o saxofonista inglês Julian Argüelles.

O responsável pela programação do festival espera que a iniciativa "atraia um público internacional, mas também a comunidade lusófona que não tem o hábito de vir à Philharmonie", promovendo simultaneamente músicos conhecidos nos respectivos países mas com menos expressão internacional.

Os portugueses Dead Combo são um dos artistas que fazem parte do cartaz do Festival Atlântico no Luxemburgo.
Os portugueses Dead Combo são um dos artistas que fazem parte do cartaz do Festival Atlântico no Luxemburgo.

"Músicos portugueses como a Mariza ou a Cristina Branco têm sido uma presença constante na Philharmonie desde a abertura da sala, há dez anos, mas a vantagem de um festival é que conseguimos criar uma atenção especial para a lusofonia, fazendo crescer o público para este tipo de música", explicou Francisco Sassetti.

Além dos concertos, o festival inclui ainda actividades para o público jovem, com uma série de espectáculos da companhia portuguesa Concertos para Bebés, de Leiria, e uma workshop de percussão corporal para crianças dos seis aos 12 anos, organizada em parceria com a Casa da Música, no Porto.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Philharmonie: Festival Atlântico aposta nas fusões musicais
Maria João, Rodrigo Leão, Carminho e Legendary Tigerman são alguns dos nomes apresentados para a edição deste ano do Festival Atlântico, na Philharmonie. Na apresentação da temporada, além dom programa habitual de música clássica, jazz e world music, é notório um novo horizonte musical, mais ecléctico e mais abrangente.
La chanteuse portugaise Carminho (Foto: Leo Aversa - Crédito obrigatório).
Francisco Sassetti: Um português na Philharmonie do Luxemburgo
Estudou música e aprendeu a tocar um instrumento, mas não é músico, apesar de a música correr nas veias de toda a família. É musicólogo, e já esteve na programação do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e na Orquestra de Jovens de Viena. Agora, aos 32 anos, Francisco Sassetti regressa ao Luxemburgo para assumir a programação do Jazz e Música do Mundo na Philharmonie.