Escolha as suas informações

Dallas Buyers Club: Eram dois Óscares, por favor
Eram dois Óscares para este banco de jardim, por favor!

Dallas Buyers Club: Eram dois Óscares, por favor

Eram dois Óscares para este banco de jardim, por favor!
Cultura 3 min. 05.02.2014

Dallas Buyers Club: Eram dois Óscares, por favor

É impossível falar deste filme sem começar por mencionar a soberba interpretação de Matthew McConaughey. Se estivéssemos na rádio evitaríamos repetir o nome, e sobretudo o apelido deste excelente artista, mas aqui podemos dar-nos ao luxo de o dizer vezes sem conta e sem erros graças à magia do copiar/colar.

Matthew McConaughey é candidato ao Óscar 2014 pela melhor interpretação masculina e talvez não o leve para casa porque a concorrência este ano é dura, mas se tiver a sorte de conquistar a estatueta dourada terá sido com todo o mérito pelo seu desempenho na pele do improvável activista Ron Woodroof.

"Dallas Buyers Club" passa-se nos anos 80, uma época em que o mundo descobria a SIDA e em que a doença era considerada um flagelo dos homossexuais. Woodroof é uma personagem surpreendente, despreocupada, que dorme com a primeira mulher que lhe aparece sem nunca pensar nas consequências. Apesar da sua energia imensa, Ron Woodroof acaba por adoecer e "aterra" num hospital de Dallas onde os médicos lhe dizem que tem SIDA e que lhe resta mais ou menos um mês de vida.

Woodroof cruza-se sobretudo com dois médicos: um que lhe diz que tem 30 dias para pôr ordem na sua vida antes de morrer e outra que – apesar de uns momentos mais difíceis quando a doença é diagnosticada – o apoia, mas confirma que não há nada fazer.

O HIV já é conhecido e alguns hospitais americanos estão a testar um novo medicamento que tem dado resultados variados. O enredo adensa-se com a presença de uma companhia farmacêutica que está a preparar um tratamento extremamente caro e que deve ser testado em voluntários. Woodroof, desesperado, lê tudo que encontra sobre a doença e os possíveis tratamentos. Enquanto isso, o público assiste à decadência física do protagonista e à forma assustadora como perde peso (Matthew McConaughey terá perdido 30 quilos nas rodagens para encarnar a personagem de Ron).

Woodroof acredita que participar nos testes do novo medicamento é uma esperança, mas o médico impede-o. O protagonista decide roubar o medicamento subornando um empregado. E viaja para o México com o objectivo de encontrar um médico (Griffin Dunne) que trabalha em formas alternativas de tratar a SIDA.

Woodroof e o seu amigo Rayon (Jared Leto) começam um contrabando de medicamentos e suplementos alimentares, mas as dificuldades com as autoridades são tantas que Woodroof decide criar um clube em que os membros têm acesso aos produtos: nasce assim o Dallas Buyers Club.

Este tipo de filme depende totalmente da empatia que se cria com a personagem principal. Ron é um homem desagradável, mal educado e bruto, mas que vai encantando a plateia à medida que o filme avança. A sua cruzada por melhores tratamentos para os doentes de SIDA é admirável e torna-o uma figura heróica, apesar de – quando a saúde lhe permite – Ron tentar engatar a primeira mulher com que se cruza e de manter vivos uma série de estereótipos relativamente aos homossexuais.

O contraponto da personagem interpretada por McConaughey é o seu amigo Rayon. Jared Leto consegue dar profundidade a uma personagem que poderia ser interpretada simplesmente com um "travesti" do tipo "maluca". Leto acrescenta camadas de humanidade a Rayon, tornando-a por fim numa influência positiva sobre o protagonista.

O realizador Jean-Marc Vallée consegue transportar a plateia para a cidade de Dallas dos anos 80 – que todos conhecemos bem por causa da série televisiva do mesmo nome –, mas não cai na tentação de simplesmente passear de bar em bar ou de propor um "remake" de "Saturday Night Fever".

É importante saber que o filme se baseia na história de Ron Woodroof e que é bastante fiel à realidade. O argumento não foi escrito para um público jovem, sobretudo porque integra muitas cenas de sexo ousadas e muitos, mas mesmo muitos, palavrões. Mas "Dallas Buyers Club" transmite uma interessante mensagem de humanismo encarnadas nas personagens de Matthew McConaughey e Jared Leto – este último nomeado também para os Óscares com este filme e bem mereceria levar a estátua para casa. Excelentíssimos senhores da Academia: passam a ser dois Óscares, se fazem o favor!

"Dallas Buyers Club", de Jean-Marc Vallée, com Matthew McConaughey, Jared Leto, Griffin Dunne, Jennifer Garner e Denis O'Hare.

Raúl Reis