Escolha as suas informações

Museus de arte abrem guerra contra site de pornografia Pornhub
Cultura 2 min. 27.08.2021
Cultura

Museus de arte abrem guerra contra site de pornografia Pornhub

Cultura

Museus de arte abrem guerra contra site de pornografia Pornhub

Cultura 2 min. 27.08.2021
Cultura

Museus de arte abrem guerra contra site de pornografia Pornhub

A polémica começou em julho quando a principal plataforma de pornografia na internet, com sede fiscal no Luxemburgo, decidiu oferecer passeios "eróticos" pelas coleções de seis dos mais importantes museus de arte do mundo.

A polémica começou em julho com a principal plataforma de pornografia na internet, com sede fiscal no Luxemburgo, a oferecer passeios "eróticos" pelas coleções de seis dos mais importantes museus do mundo. Obras do Prado, em Madrid, Metropolitan Museum, em Nova Iorque, National Gallery, em Londres, Uffizi Gallery, em Florença, Louvre e Orsay, em Paris, passaram a estar disponíveis no site pornográfico Pornhub.

O Museu do Prado criticou desde o primeiro momento estas visitas virtuais por quadros nus como "exercício de cinismo". Se o objetivo anunciado era permitir encorajar as pessoas a visitar museus vazios devido à pandemia, um porta-voz do Prado afirmou ao El País que a iniciativa era, na verdade, "uma iniciativa de marketing e comunicação".

A polémica no mundo da arte foi tal que o Pornhub acabou por retirar os passeios pelo Prado, Uffizi e Louvre, sem explicar por que razão manteve visitas aos outros museus. O porta-voz do Prado assegurou que o museu nunca deu consentimento para que a plataforma pornográfica utilizasse imagens da sua coleção. Souberam de tudo pela imprensa.

Os serviços jurídicos do museu espanhol estudaram a possibilidade de entrar com uma ação judicial mas o Pornhub acabou por retirar os quadros do Prado depois do envio de uma carta diretor do museu. A mensagem foi enviada aos escritórios da empresa no Canadá e no Luxemburgo mas sem qualquer resposta.

O Prado mostrou-se "satisfeito" pelo facto de a plataforma pornográfica ter retirado as imagens e por ter conseguido defender o "valor da arte sobre a exploração cínica e espúria". Sublinham que o seu objetivo ao enviar a carta era "manter a marca livre de companheiros de viagem não solicitados". Acreditam que o objetivo da empresa era obter publicidade e atenção gratuitas.

Os quadros do Louvre e da Ufizzi também desapareceram. A galeria de Florença, a principal galeria de arte italiana, tinha enviado uma requerimento legal ao Pornhub em julho por utilizar algumas das suas pinturas sem autorização e para fins comerciais. 

As obras no Louvre também desapareceram do site pornográfico sem que os responsáveis tenham feito qualquer procedimento para tal. Os responsáveis pelo Pornhub permaneceram em silêncio e não quiseram responder às perguntas dos jornalistas do El País. A empresa regista uma média de 130 milhões de visitas por dia. Pertence à MindGeek, um conglomerado de plataformas tecnológicas - sobretudo pornográficas, como o YouPorn e o RedTube - cuja sede se situa na cidade de Montreal, no Canadá, mas que está registada no Luxemburgo por razões fiscais. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.