Escolha as suas informações

Cristina Branco, Tito Paris e Sara Tavares no Festival Atlântico
Cultura 3 min. 18.04.2018

Cristina Branco, Tito Paris e Sara Tavares no Festival Atlântico

Tito Paris, Sara Tavares e Cristina Branco.

Cristina Branco, Tito Paris e Sara Tavares no Festival Atlântico

Tito Paris, Sara Tavares e Cristina Branco.
Cultura 3 min. 18.04.2018

Cristina Branco, Tito Paris e Sara Tavares no Festival Atlântico

Vanessa CASTANHEIRA
Vanessa CASTANHEIRA
Cristina Branco e Tito Paris com Sara Tavares são os cabeça de cartaz do festival Atlântico, na Philharmonie, que se reinventa a cada edição e vai realizar-se em outubro.

De 6 a 14 de outubro realiza-se mais uma edição – a terceira consecutiva – do festival Atlântico, na Philharmonie. O formato não se esgota e renova-se a cada ano. Nesta edição, há uma noite de festa e de homenagem à cultura cabo-verdiana, a segunda maior comunidade lusófona no Luxemburgo.

Entre as presenças confirmadas, Cristina Branco é já uma velha conhecida da Philharmonie. Atuou na sala em 2011 e 2015. Desta vez, cabe à fadista do tango encerrar o festival. Cristina Branco é uma miscelânia de fado, cancioneiro popular, jazz e música contemporânea. Sem qualquer formação musical, a sua perceção de sentir a música é “intuitiva e de ouvido”, como disse em entrevista ao Contacto, em 2015, e a música portuguesa só ganha com o seu entendimento do fado. Lançou em fevereiro último o disco Branco, em que volta a mostrar novas facetas. Cristina Branco tem um fado com beat, com ritmo de músicas de mundo e a sua musicalidade festiva é um bom ponto de despedida para o Atlântico.

No dia anterior, 13 de outubro, a noite está reservada para Cabo Verde. Considerado o embaixador da música popular de Cabo Verde, a morna, Tito Paris recebe Sara Tavares. Ambos atuaram no Luxemburgo por diversas vezes, mas em parceria é inédito.

Cantor e compositor, Tito Paris escreveu inclusive para o nome maior da morna, Cesária Évora, e tem levado a sua música além-fronteiras. Agraciado com o título de Comendador da Ordem do Mérito de Portugal, Tito Paris é um músico que soube casar a música tradicional com as influências dos locais por onde passou. Sara Tavares também dispensa apresentações. De voz doce e quente, tal como Tito, Sara Tavares é das cantoras portuguesas – com ascendência cabo-verdiana – mais acarinhadas pelo público. Sara tem um reportório de morna com neo-soul, r&b e reggae. A noite de sábado termina com uma festa no átrio da Philharmonie dedicada à cultura das ilhas de Morabeza.

No dia 9, os Sete Lágrimas tocam no ciclo Lunch Concert. Sete Lágrimas é um dos projetos portugueses mais originais dos últimos tempos. Com vozes, flauta, oboé barroco, vihuela, tiorba, guitarra barroca, contrabaixo e percussão, é um coletivo que alia a música erudita, tradicional e a contemporânea de forma criativa e irreverente.

Ramil e Aline Frazão

A representar o Brasil vem Vitor Ramil. Com 11 trabalhos editados, o gaúcho Vitor Ramil pertence ao cancioneiro popular brasileiro, mas já com uma leve aproximação à world music sem nunca perder a forte ligação à terra e simplicidade que tornam a sua obra em poesia, não fosse ele mesmo um fã de Bob Dylan [músico galardoado com o Nobel da Literatura em 2017].

É a terceira vez que a angolana Aline Frazão toca no país. Já encerrou o festival Printemps Musical e agora regressa para o palco da Philharmonie. Ao contrário do concerto anterior, este será um momento mais intimista e mais acústico da compositora. O concerto de Aline Frazão está marcado para dia 11.

Na sexta-feira, dia 12, há mais uma das habituais fusões musicais: o trio João Barradas convida o americano Greg Osby para uma sessão de jazz com acordeão, baixo e bateria acompanhado pelo saxofone do americano.

Também na mesma noite há outra novidade: a música eletrónica estreia-se no Atlântico. A performance “Lisboa Matéria Sonora”, do produtor espanhol Francisco López, foi um trabalho encomendado pelo Teatro Maria Matos e que agora será reproduzido no Luxemburgo. A performance alia som e imagem, numa sessão de experiencialismo multisensorial.

O serviço educativo da Philharmonie adaptou-se aos mais novos. O programa inclui Bebé Fado, um workshop de percussão e uma viagem musical pelo mundo, de 6 a 11 de outubro.


Notícias relacionadas

Philharmonie: Festival Atlântico aposta nas fusões musicais
Maria João, Rodrigo Leão, Carminho e Legendary Tigerman são alguns dos nomes apresentados para a edição deste ano do Festival Atlântico, na Philharmonie. Na apresentação da temporada, além dom programa habitual de música clássica, jazz e world music, é notório um novo horizonte musical, mais ecléctico e mais abrangente.
La chanteuse portugaise Carminho (Foto: Leo Aversa - Crédito obrigatório).
Francisco Sassetti: Um português na Philharmonie do Luxemburgo
Estudou música e aprendeu a tocar um instrumento, mas não é músico, apesar de a música correr nas veias de toda a família. É musicólogo, e já esteve na programação do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e na Orquestra de Jovens de Viena. Agora, aos 32 anos, Francisco Sassetti regressa ao Luxemburgo para assumir a programação do Jazz e Música do Mundo na Philharmonie.