Escolha as suas informações

Coração Independente de Joana Vasconcelos na catedral
Cultura 6 31.05.2017

Coração Independente de Joana Vasconcelos na catedral

Cultura 6 31.05.2017

Coração Independente de Joana Vasconcelos na catedral

Quem entra na catedral do Luxemburgo pode ver uma obra de Joana Vasconcelos que evoca a filigrana portuguesa. O “Coração Independente Vermelho” vai estar em exposição até 31 de agosto.

Quem entra na catedral do Luxemburgo pode ver uma obra de Joana Vasconcelos que evoca a filigrana portuguesa. O “Coração Independente Vermelho” vai estar em exposição até 31 de agosto.

A peça da artista plástica portuguesa está no Luxemburgo desde 24 de maio, para assinalar a vinda da imagem peregrina do santuário de Fátima. A instalação foi inaugurada por Marcelo Rebelo de Sousa e pelos Grão-duques, na presença de Joana Vasconcelos e do arcebispo do Luxemburgo, Jean-Claude Hollerich.

A obra, suspensa da nave central da catedral, evoca o coração de Viana, feito em filigrana. Mas em vez de ouro, o “Coração Independente Vermelho” é constituído por talheres em plástico translúcido – uma forma de questionar “a artificialidade das fronteiras traçadas entre luxo e banalidade”, segundo o comunicado da arquidiocese. O título é uma referência à canção “Estranha Forma de Vida“, de Amália Rodrigues.

Suspensa a partir do eixo, a obra executa um movimento rotativo, “evocativo dos ciclos da vida e do eterno retorno”, acompanhado pelo som de três fados de Amália Rodrigues: “Estranha Forma de Vida”, “Gaivota” e “Maldição”. O título é retirado de um dos versos do primeiro fado, da autoria de Alfredo Duarte Marceneiro e Amália Rodrigues, cuja letra evoca o conflito entre emoção e razão.

Esta é a segunda vez que a obra está no Luxemburgo, depois de ter integrado a exposição “Portugal Agora”, no Mudam, em 2007.

Dez anos depois, a peça regressou ao Grão-Ducado a convite do arcebispo do Luxemburgo, integrada no programa cultural da vinda da imagem de Fátima, que vai percorrer o país até 25 de junho.

A 24 de junho, na véspera do regresso da imagem a Portugal, a fadista Kátia Guerreiro dará um concerto na catedral do Luxemburgo.

O arcebispo do Luxemburgo disse esperar que o programa cultural contribua para valorizar a imagem de Portugal no país.

“Muitas pessoas no Luxemburgo ignoram a história de Portugal e a grande cultura deste país. Gostava que os [imigrantes] portugueses pudessem orgulhar-se da sua cultura perante os luxemburgueses, porque é uma cultura maravilhosa, tal como a sua gastronomia”, elogiou Jean-Claude Hollerich.


Notícias relacionadas