Escolha as suas informações

Comemorações do centenário de Saramago arrancam esta terça-feira. Nobel faria 99 anos
Cultura 5 min. 16.11.2021
Nobel da Literatura

Comemorações do centenário de Saramago arrancam esta terça-feira. Nobel faria 99 anos

José Saramago (1922-2010).
Nobel da Literatura

Comemorações do centenário de Saramago arrancam esta terça-feira. Nobel faria 99 anos

José Saramago (1922-2010).
Foto: Pedro Soares
Cultura 5 min. 16.11.2021
Nobel da Literatura

Comemorações do centenário de Saramago arrancam esta terça-feira. Nobel faria 99 anos

Redação
Redação
Ao longo do ano, várias iniciativas vão ser realizadas em diferentes países do mundo para evocar a obra e a vida do escritor português, único Nobel da Literatura em língua portuguesa.

As comemorações do centenário do nascimento de José Saramago, arrancaram esta terça-feira, 16 de novembro, dia em que o Nobel da Literatura faria 99 anos.

Para dar início ao programa de celebrações que dura um ano, terminando no próximo ano, na mesma data, que marca os seus 100 anos, foi plantada, na Azinhaga, aldeia de Saramago, a 99.ª das “100 oliveiras para Saramago” que a Fundação José Saramago tem estado a plantar naquela localidade do concelho da Golegã, no Ribatejo.

“A ideia seria, recuperando um pouco a mágoa que o próprio José Saramago várias vezes referiu, pelo facto de na Azinhaga já não existir o olival e as oliveiras como ele tinha conhecido em criança, que seria bonito a celebração do seu centenário com a existência de cem oliveiras plantadas em sua homenagem”, disse à agência Lusa a curadora da Fundação José Saramago responsável pelo polo da Azinhaga, Ana Matos.

Apresentado à Câmara da Golegã e à Junta de Freguesia da Azinhaga, em 2019, o projeto foi apadrinhado por um agricultor da região, Manuel Coimbra, que “prontamente ofereceu 100 oliveiras com algum porte”. Nos últimos dois anos foram plantadas 98, na sua maioria concentradas numa das ruas principais da aldeia, a rua Vítor Guia, e outras espalhadas pela aldeia.

Cada uma das oliveiras terá o nome de uma personagem do universo literário de Saramago. A centésima árvore, que será plantada no dia 16 de novembro de 2022, data em que Saramago faria 100 anos, receberá o nome da sua avó materna, Josefa.

Escolas dão o pontapé literário

O primeiro dia de comemorações é também marcado pela iniciativa “Leituras Centenárias”, resultante de um desafio lançado pelo Comissariado do Centenário, presidido por Carlos Reis, não só às escolas de Portugal, mas de Espanha e da América Latina.

Em mais de uma centena de escolas portuguesas, os alunos do ensino básico leram, em simultâneo, o conto “A Maior Flor do Mundo”.

No Brasil, de acordo com a embaixada portuguesa, a iniciativa mobilizou escolas de Brasília, Belém, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Natal, Recife, Fortaleza, Curitiba e Porto Alegre, assim como nas localidades de São Jerónimo, em Rio Grande do Sul, e de Pedro Leopoldo, em Minas Gerais.

“A Maior Flor do Mundo” faz parte do currículo escolar do 4.º ano do Ensino Básico, em Portugal, e do Ensino Fundamental do Brasil.  


Universidade em Sófia vai criar Cátedra José Saramago
Protocolo com o Instituto Camões vai "refletir a importância que a obra do escritor assume nos estudos literários na Bulgária".

A Embaixada de Portugal e a rede de consulados portugueses, no Brasil, instituições universitárias e escolares brasileiras, o Camões – Centro Cultural Português em Brasília e a Feira Literária de Poços de Caldas (Flipoços) abrem, por seu lado, as suas redes sociais à transmissão das sessões de leitura, associando-se assim ao projeto da Fundação José Saramago.

Paralelamente, em Portugal, os alunos da escola Mestre Martins Correia, na Golegã, vão inaugurar uma exposição de desenhos, intitulada “Retratos”.

Ao longo do dia de terça-feira, as sete bibliotecas da Rede de Bibliotecas José Saramago também promovem leituras encenadas, maratonas de leitura e leituras nas redes sociais.

A sessão de abertura oficial do Centenário está marcada para as 20h de Lisboa (21h no Luxemburgo), no Teatro Municipal São Luiz, na capital portuguesa. O evento conta com a participação da escritora Irene Vallejo, que irá ler um “Manifesto pela Leitura”, seguindo-se um concerto pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida pelo maestro Pedro Neves.

O programa do concerto é composto por “As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz”, de Joseph Haydn, com leitura de textos de José Saramago pela atriz Suzana Borges, numa parceria da Fundação José Saramago com a Câmara Municipal de Lisboa.

Ao longo de um ano de celebrações, pretende-se ainda consolidar a presença do escritor na história cultural e literária, tanto em Portugal como no estrangeiro, e prestar homenagem à sua figura como cidadão.

Do programa comemorativo, divulgado em julho passado, destaca-se contará a edição de uma fotobiografia, cinco conferências comissariadas pelo escritor argentino Alberto Manguel, um Colóquio de Estudos Saramaguianos no Brasil, a edição de uma moeda comemorativa e um ciclo de cinema pela Cinemateca Portuguesa.

Está igualmente prevista a reposição da ópera "Blimunda", de Azio Corghi e José Saramago, pelo Teatro Nacional de São Carlos, e a estreia do espetáculo de teatro de rua "A Passarola", pelo Trigo Limpo Teatro ACERT.

Ópera "Blimunda" vai ser apresentada em França

Na Europa, além de Portugal e também de Espanha, onde o escritor viveu os últimos anos da sua vida, será alvo de várias iniciativas, a França é um dos países onde a Fundação José Saramago pretende realizar atividades comemorativas. “Em França haverá universidades associadas, conferências, doutoramentos, filmes”, afirmou Pilar del Río, viúva do escritor, em declarações à agência Lusa, em julho, na apresentação do programa.

Entre algumas das iniciativas previstas em França estão a introdução de leituras de José Saramago, nas aulas de língua portuguesa e também nas universidades, e a ideia de apresentar a ópera “Blimunda”.


Dez anos da morte de Saramago assinalados com leituras "virtuais" dos seus romances
De Lisboa a Toronto, o escritor português e a sua obra são recordados através da evocação das suas palavras pelos outros. No final deste ano, estreia uma nova adaptação cinematográfica de um dos seus livros.

Com toda a obra de José Saramago traduzida em França, Pilar del Río considerou que os franceses e a comunidade portuguesa residente no país sabem quem é o Prémio Nobel da Literatura.

O centenário das comemorações incluirá ainda, um vários pontos do mundo, a realização de debates, exposições temáticas, conferências e edições, entre outras iniciativas.

 José Saramago, o único Prémio Nobel da Literatura da língua portuguesa, nasceu a 16 de novembro de 1922, na Azinhaga (Portugal) e morreu a 18 de junho de 2010, na ilha de Lanzarote, em Espanha.

A programação do Centenário pode ser consultada em: www.josesaramago.org.

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.