Escolha as suas informações

"Collage/Décollage", a arte que "cola" Portugal ao Luxemburgo
Cultura 3 3 min. 12.07.2019

"Collage/Décollage", a arte que "cola" Portugal ao Luxemburgo

"Collage/Décollage", a arte que "cola" Portugal ao Luxemburgo

Imagem: Borderlovers
Cultura 3 3 min. 12.07.2019

"Collage/Décollage", a arte que "cola" Portugal ao Luxemburgo

Sibila LIND
Sibila LIND
Os Borderlovers, a dupla de artistas portugueses Pedro Amaral e Ivo Bassanti, estão de volta ao Grão-Ducado. A exposição "Collage/Décollage" inaugura esta sexta-feira, no Centro Cultural Português - Camões, e destaca algumas personalidades portuguesas e luxemburguesas, numa tentativa de enaltecer o lado "mais luminoso" da cultura e da História dos dois países.

Cada tela tem uma figura ou um retrato, cada retrato tem uma história. E Pedro Amaral, artista e antigo professor de educação física, de 59 anos, adora contá-las.

Numa das paredes do Centro Cultural Português - Camões estão suspensas duas molduras com a imagem da “Gëlle Fra” ("Mulher Dourada"), o símbolo de resistência do Grão-Ducado. Mas, enquanto na imagem da esquerda o seu rosto está a olhar de frente, na imagem da direita a estátua tem o rosto virado para o chão, retratada como pode ser vista atualmente na Place de la Constitution. “A primeira imagem reproduz a estátua como era antes da Segunda Guerra Mundial”, conta-nos Pedro. “Quando os nazis entraram no Luxemburgo, esconderam a estátua da Gëlle Fra. Mais tarde, ela foi descoberta, mas com o olhar virado para o chão”, explica o artista, que se cruzou com vários residentes e curiosos do Grão-Ducado, inclusive um historiador, que lhe deu a conhecer esta história.


Mural dedicado a portugueses e luxemburgueses, no Grund
Figuras portuguesas e luxemburguesas decoraram a capital por ocasião do 10 de junho
As comemorações do 10 de junho, Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesa, terminaram ontem, sexta-feira, com um mural que homenageia os ícones da cultura portuguesa e luxemburguesa, da autoria dos Borderlovers, no Grund, na capital.

Na véspera da inauguração da exposição, já está tudo montado. Pedro vai apontando para as várias telas em que vão aparecendo rostos familiares. O escultor da "Gëlle Fra", Claus Cito, os músicos Carmen Miranda, Leonard Cohen, Caetano Veloso, Nina Simone, entre outros, e ainda a Grã-Duquesa Charlotte, ao lado do cônsul de Portugal em Bordéus, Aristides de Sousa Mendes. "O cônsul concedeu milhares de vistos de entrada em Portugal a quem queria fugir da guerra, entre eles luxemburgueses e a família grã-ducal", conta o artista. "Durante muitos anos desobedeceu a Salazar e ao Estado Novo".

Num outro quadro, os artistas juntaram o rosto de várias mulheres portuguesas. “As Rosas de Portugal”, diz. Entre elas, Pedro destaca Beatriz Carolina Ângelo, a primeira mulher a votar em Portugal, e Adelaide Cabeteuma das figuras importantes da história portuguesa do início do século XX. “Foi uma das primeiras mulheres a exercer medicina em Portugal. O seu marido era da GNR e ajudava nas tarefas domésticas. Vendeu os terrenos para lhe pagar o estudos", diz o artista português. "É tudo gente boa, com quem gostava de ir jantar e trocar ideias", brinca.

Pedro Amaral e Ivo Bassanti, ao lado do retrato de Sophia de Mello Breyner, que produziram no Luxemburgo, no ano passado
Pedro Amaral e Ivo Bassanti, ao lado do retrato de Sophia de Mello Breyner, que produziram no Luxemburgo, no ano passado
Foto: Chris Karaba

Pedro Amaral é um dos protagonistas da dupla Borderlovers, nome inspirado na perturbação de personalidade "borderline”, juntamente com Ivo Bassanti, artista português de 40 anos. A dupla esteve no Luxemburgo em 2018, a convite do Instituto Camões, e colou nas fachadas de alguns edifícios da capital, várias obras em homenagem a figuras emblemáticas portuguesas e luxemburguesas.

Este ano, os Borderlovers estão de volta ao Centro Cultural Português - Camões, com novas telas, algumas feitas com as colagens do ano anterior, que foram retiradas dos muros. "A ideia é através destas figuras tentar mostrar o lado mais luminoso de cada país, no que diz respeito à inclusão e à sua História", explica Pedro. "É uma exposição que começa onde a outra acaba".

A exposição "Collage/Décollage" vai ser inaugurada esta sexta-feira, às 18h30, no Centro Cultural Português - Camões, com uma visita guiada dos artistas, às 17h30. No dia 13 de julho, às 19h30, será projetado pela primeira vez o filme "Borderlovers", de François Baldassare, na presença do realizador e dos artistas Pedro Amaral e Ivo Bassanti.


Notícias relacionadas

Entrevista a Nick Willing: “As mulheres em Portugal continuam a ser maltratadas”
Paula Rego é um ícone nas artes e na luta pela emancipação das mulheres. A mulher que deixou Portugal com 17 anos para estudar Belas Artes em Inglaterra – um sacrilégio na altura – acabaria por se tornar numa das artistas plásticas mais famosas do mundo, recebendo da Rainha Isabel II a Ordem do Império Britânico. Mas o maior tributo talvez seja o documentário realizado pelo filho, Nick Willing. O realizador vai estar no Luxemburgo no próximo domingo para apresentar “Histórias & Segredos” e contou ao Contacto histórias marcantes de uma mulher extraordinária.
Paula Rego com o filho, Nick Willing.
A partir de hoje e até 16 de outubro: Mega-exposição no Luxemburgo mostra tesouros da arte portuguesa
Uma exposição com mais de 130 peças de arte, que vão da Idade Média ao séc. XVIII português, na sua maioria provenientes do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, é inaugurada esta quinta-feira, 27 de abril, às 18h30, no Museu Nacional de História e de Arte do Luxemburgo, para mostrar como os Descobrimentos Portugueses ligaram o mundo, influenciando a história da arte, da ciência e das ideias.