Escolha as suas informações

Clássicos do cinema português em destaque em festival francês
Cultura 01.10.2020

Clássicos do cinema português em destaque em festival francês

Clássicos do cinema português em destaque em festival francês

Foto: DR
Cultura 01.10.2020

Clássicos do cinema português em destaque em festival francês

Lusa
Lusa
O festival Lumière, que começa no dia 10, é dedicado ao património cinematográfico, honrando a ligação do evento aos irmãos Lumière, pioneiros na história do cinema.

Portugal será o país convidado do Mercado Internacional do Cinema Clássico, um evento que decorrerá este mês em paralelo ao Festival Lumière, em Lyon, França, e que contará com dois filmes portugueses restaurados.

Na página oficial, a organização elogia a riqueza de um "património cinematográfico extremamente variado", onde convivem "o documentário, o cinema mudo, político, social e os géneros populares".

A oitava edição do Mercado Internacional do Cinema Clássico está marcada de 13 a 16 de outubro, estando previsto um programa de encontros, debates e projeção de dois filmes portugueses: "Fado, História d'uma cantadeira" (1947), de Perdigão Queiroga, e "Mudar de vida" (1966), de Paulo Rocha.

Nos debates estarão presentes o diretor da Cinemateca Portuguesa, José Manuel Costa, o produtor e exibidor Pedro Borges, da Midas Filmes, o diretor da RTP Memória, Gonçalo Madaíl, e uma das responsáveis da plataforma Filmin Portugal, Anette Dujisin.

Segundo o Instituto do Cinema e do Audiovisual, este é "o primeiro e único mercado de filmes clássicos no mundo".

O festival Lumière, que começa no dia 10, é dedicado ao património cinematográfico, honrando a ligação do evento aos irmãos Lumière, pioneiros na história do cinema.

Na programação deste festival será exibido o filme "O movimento das coisas", de 1985, primeiro e único filme da realizadora portuguesa Manuela Serra.

O filme foi digitalizado e restaurado, e regista o quotidiano da comunidade rural de Lanheses, no concelho de Viana do Castelo.

A produção do filme demorou vários anos e teve uma estreia premiada no Festival de Mannheim, na Alemanha, na década de 1980, e depois em Portugal, no Festróia, mas a obra nunca chegou ao circuito comercial português.

Manuela Serra nasceu em Lisboa, em 1948, estudou cinema em Bruxelas, mas rumou a Portugal logo depois da Revolução de Abril de 1974. Foi assistente de realização e montadora do filme "Deus, Pátria, Autoridade", de Rui Simões, e uma das cofundadoras da cooperativa VirVer. A autora abandonou o cinema nos anos de 1990.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Quinzena de Cinema Português no Luxemburgo: Como manter excelentes relações com a família
Todos sabemos que quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou decidimos aceitar o convite da tia Maria José para jantar, ela que já nos anda a dizer para ir lá a casa há três Verões...
Quando a francesa Fanny Ardant dirige uma paleta de grandes actores europeus, o resultado chama-se “Cadências Obstinadas”