Escolha as suas informações

Cinema português invade o Luxemburgo
Cultura 6 3 min. 10.11.2022
Centro Camões

Cinema português invade o Luxemburgo

"Listen" de Ana Rocha de Sousa, com Lúcia Moniz como protagonista, é um dos filmes em destaque.
Centro Camões

Cinema português invade o Luxemburgo

"Listen" de Ana Rocha de Sousa, com Lúcia Moniz como protagonista, é um dos filmes em destaque.
Cultura 6 3 min. 10.11.2022
Centro Camões

Cinema português invade o Luxemburgo

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
São cinco filmes portugueses e dois brasileiros que poderá ver no Luxemburgo nos próximos dias.

O Festival de Cinema Português decorre de 11 a 18 de novembro, com a organização do Centro Cultural Camões no Luxemburgo. São sete longas metragens em língua portuguesa a não perder:

Sexta-feira, 11 de novembro, às 19h no Cinema Utopia:

"O Pai Tirano"

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Estreado em 2022, o "Pai Tirano" é uma comédia que pretende, de forma bem-humorada, pôr a nu o que é ser português – tanto em 1940 como em 2022. O remake conta a história de uma companhia de teatro, de homens e mulheres apaixonados, e de enganos e mal-entendidos. Realizado por João Gomes e produzido por José Francisco Gandarez, conta com argumento de Patrícia Müller e Miguel Viterbo.  

Sábado, 12 de novembro, às 19h, no Cinema Utopia

"Os demónios do meu avô"

Rosa, profissional de topo, leva uma vida inteiramente dedicada ao trabalho. A morte do avô, de quem se tinha afastado progressivamente devido ao trabalho inesgotável, provoca-lhe um súbito ataque de stress que põe em dúvida as suas escolhas. Rosa decide abandonar a cidade e partir para o lugar da sua infância na paisagem transmontana, vivida ao lado do avô. Contudo, Rosa não está sozinha. Fazem-lhe companhia um grupo de demónios de barro modelados pelo avô que parecem ganhar vida. A longa-metragem de animação é inspirada pelas figuras de barro da ceramista Rosa Ramalho, com argumento do escritor Possidónio Cachapa.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Domingo, 13 de novembro, às 17h na Cinemateca do Luxemburgo

"Listen"

A realidade e os dramas sociais de uma família de emigrantes portugueses que luta contra os serviços sociais britânicos. O premiado filme luso-britânico de Ana Rocha de Sousa conta com Lúcia Moniz e Ruben Garcia nos papéis principais.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Segunda-feira, 14 de novembro, às 18h30, na Cinemateca do Luxemburgo

"O Último Banho"

"O Último Banho" é uma longa-metragem luso-francesa de ficção realizada por David Bonneville.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Terça-feira, 15 de novembro, às 20h30, na Cinemateca do Luxemburgo

"A Colônia Luxemburguesa"


O Luxemburgo tropical que existe no Brasil
Num vale esquecido do estado brasileiro de Minas Gerais, há uma pequena cidade que foi fundada por luxemburgueses há cem anos. As terras de Monlevade foram ocupadas por milhares de famílias vindas do Grão-Ducado no advento da indústria do aço. Mergulho na selva para perceber como foi forjada a versão tropical de um pequeno país do centro da Europa.

Num vale esquecido do estado brasileiro de Minas Gerais, há uma pequena cidade fundada por luxemburgueses há cem anos. As terras de Monlevade foram ocupadas por milhares de famílias vindas do Grão-Ducado no advento da indústria do aço. A historiadora brasileira-luxemburguesa Dominique Santana é a autora do documentário "A Colônia Luxemburguesa", produzido pela Samsa Films.

Quarta-feira, 16 de novembro, às 20h30, na Cinemateca do Luxemburgo

"O Ano da Morte de Ricardo Reis"

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Precisamente no dia em que se assinala o aniversário dos 100 anos do escritor José Saramago é exibido o filme inspirado no livro do Prémio Nobel da Literatura em 1998. A obra do escritor fez regressar o heterónimo Ricardo Reis a Portugal, ao fim de 16 anos de exílio no Brasil. O ano de 1936 é o ano de todos os perigos, do fascismo de Mussolini, do nazismo de Hitler, da terrível guerra civil espanhola e do salazarismo em Portugal. Fernando Pessoa, o criador do heterónimo, encontra Ricardo Reis, a criatura neste filme de João Botelho.

Sexta-feira, 18 de novembro, às 18h30, na Cinemateca do Luxemburgo

"Raiva"

O filme do cineasta brasileiro Sérgio Tréfaut é um conto negro sobre o abuso e a revolta a partir de "Seara de Vento" de Manuel da Fonseca. Um filme sobre a pobreza, a opressão e as injustiças sociais, inspirado num caso real acontecido em Beja, em 1930.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

(*com Ricardo J. Rodrigues)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Festival de Cinema Português está de regresso ao Grão-Ducado já a partir desta sexta-feira, com o filme "Bem Bom" a ser exibido na sessão de abertura. Até dia 19, são muitas e variadas as produções portuguesas para ver na capital luxemburguesa.
Filme "Bem Bom", que retrata a história da girls band portuguesa, Doce.
Vamos poder ver a top model, sem asas, no filme "Carga" que passa no Festival de Cinema Português no Luxemburgo. Um acontecimento com outras descobertas, como a "Peregrinação" de João Botelho.
Quinzena de Cinema Português no Luxemburgo
Todos sabemos que quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou decidimos aceitar o convite da tia Maria José para jantar, ela que já nos anda a dizer para ir lá a casa há três Verões...
Quando a francesa Fanny Ardant dirige uma paleta de grandes actores europeus, o resultado chama-se “Cadências Obstinadas”
O Luxemburgo (co)produz mais filmes do que Portugal. Com o seu meio milhão de habitantes, o Grão-Ducado pesa mais no mercado cinematográfico europeu do que o país à beira-mar plantado.
Naquele tempo, no Luxemburgo, não chovia tanto como agora e podia fazer-se uma festa no jardim