Escolha as suas informações

Cinema português "está de parabéns" com mais um prémio em Cannes
O secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado

Cinema português "está de parabéns" com mais um prémio em Cannes

LUSA
O secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado
Cultura 1 2 min. 17.05.2018

Cinema português "está de parabéns" com mais um prémio em Cannes

O secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, afirmou hoje que "o cinema português está de parabéns", com o prémio conquistado por Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, na quarta-feira, no Festival de Cinema de Cannes, na França.

O filme português "Diamantino", de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, venceu o Grande Prémio da Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes, que decorre até sábado naquela cidade do Sul de França.

Questionado pela agência Lusa, no parlamento, o governante congratulou-se pelo prémio, felicitou os realizadores e sublinhou a importância de "mais um prémio para o cinema português, vindo de um fórum do cinema tão importante como Cannes".

O prémio foi atribuído por um júri, presidido pelo realizador Joachim Trier e composto pelos atores Chloe Sevigny e Nahuel Pérez Biscayart.

"Diamantino", a primeira longa-metragem de ficção de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, conta "a história de Diamantino, interpretado pelo ator Carloto Cotta, uma superestrela do futebol mundial, cuja carreira cai em desgraça".

Além de Carloto Cotta, o elenco desta coprodução entre Portugal, Brasil e França inclui Cleo Tavares, Anabela Moreira, Margarida Moreira, Carla Maciel, Filipe Vargas, Manuela Moura Guedes, Joana Barrios e Maria Leite.

"Diamantino", refere a produtora, "vai ter estreia comercial em Portugal, numa data a anunciar brevemente".

Gabriel Abrantes e o norte-americano Daniel Schmidt têm trabalhado juntos nos últimos anos em filmes como "Tristes Monroes" (2017) e "A History of Mutual Respect" (2010).

Além de "Diamantino", havia outro filme português em competição na Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes, a curta-metragem "Amor, Avenidas Novas", de Duarte Coimbra, feita em contexto escolar e produzida pela Escola Superior de Teatro e Cinema.

O filme de Duarte Coimbra, de 21 anos, trabalho final do curso de Realização da Escola Superior de Teatro e Cinema e o primeiro "a sério" que fez, "é muito pessoal".

O realizador quis fazer, como explicou em entrevista à Lusa, "uma história de amor, um filme romântico, que se passasse nos dias de hoje" em Lisboa, cidade onde cresceu e passa os dias. "Amor, Avenidas Novas, estreou-se no final de abril no IndieLisboa, nas competições nacional e internacional.

A 57.ª Semana da Crítica de Cannes, um dos programas paralelos do festival francês, decorre até hoje.

A 71.ª edição do Festival de Cinema de Cannes termina no sábado. Para o encerramento, Cannes escolheu "O homem que matou D. Quixote", projeto antigo de Terry Gilliam agora concretizado, em estreia mundial no festival.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Festival de Cannes: Entre palhaços e futebolistas
O meu “coup de coeur” de Cannes é até agora um filme luso-brasileiro. A única longa metragem portuguesa na seleção oficial é um belíssimo filme do brasileiro Cacá Diegues: “O Grande Circo Místico”.
Vincent Cassel, o francês mais brasileiro da Sétima Arte, em “O Grande Circo Místico”.
Cannes 2018. Afinal, não foi tão mau
A seleção do festival de cinema de Cannes nos últimos anos passou a ser feita às pinguinhas. Pelos vistos os responsáveis do maior festival de cinema do mundo acham que é melhor esperar pela reação do público e dos críticos antes de fecharem a lista de filmes a concurso.
Portugal conseguiu uma representação decente na reta final.
CINEMA: A nossa seleção em Cannes
Portugal voltou a não estar na competição oficial do festival de cinema de Cannes em 2017. Até aqui nada de novo: o nosso país raramente teve acesso ao lote de uma vintena de filmes que disputam a Palma de Ouro.
Le réalisateur portugais Pedro Pinho à Cannes
Cannes 2015 : O império português contra-ataca
É impossível ser-se português no festival de Cannes e não falar, ou ouvir falar, do filme de Miguel Gomes “As mil e uma noites”. Esta trilogia surpreendente não está sequer na competição oficial, participando na Quinzena dos Realizadores, uma secção paralela do festival. Este ano não se pode dizer a ninguém em Cannes “sou português” sem que o interlocutor pergunte: “e então que achaste do filme do Miguel Gomes?”.
Miguel Gomes levou  "As mil e uma noites" até Cannes