Escolha as suas informações

Cinema em português "invade" o Luxemburgo
Cultura 3 min. 11.11.2021
Festival de Cinema

Cinema em português "invade" o Luxemburgo

Festival de Cinema

Cinema em português "invade" o Luxemburgo

Cultura 3 min. 11.11.2021
Festival de Cinema

Cinema em português "invade" o Luxemburgo

Vanessa CASTANHEIRA
Vanessa CASTANHEIRA
Na estreia do filme "Bem Bom" contará com a presença de Filipa Martins, uma das argumentistas do filme.

De 12 a 19, na capital

Festival de Cinema Português

O Festival de Cinema Português está de regresso para mais uma semana de projeções de produções portuguesas nos cinemas da capital.

Filme "Bem Bom", que retrata a história da girls band portuguesa, Doce.
Filme "Bem Bom", que retrata a história da girls band portuguesa, Doce.
Foto: Imagem Promocional

Dia 12, às 19h, no Cinéma Utopia, entrada livre

“Bem Bom” de Patrícia Sequeira

Lançado este ano, “Bem Bom” é o filme que conta a história e memórias das Doce, a maior girlsband portuguesa, desde o seu aparecimento, em 1979, até à sua ascensão em 1983, no Eurofestival da Canção. Numa época de mudança de costumes surgem Fátima Padinha, Laura Diogo, Lena Coelho e Teresa Miguel, mulheres arrojadas e sem medo de cantar, dançar e criar espetáculos ousados e diferentes do comum e só antecedido, mas de forma mais comedida pelas Cocktail. A exibição conta com a presença de Filipa Martins, a argumentista do filme com Cucha Carvalheiro.

 

Dia 13, às 20h, na Cinémathèque, tarifa do cinema

“Diamantino” de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt

“Dimantino” é uma estrela do futebol. O seu talento quase sobrenatural é acompanhado em dose igual de ignorância e ingenuidade. Quando a sua carreira termina de forma abrupta Diamantino depara-se com problemas e temas atuais como a crise dos refugiados e a modificação genética. Estreado no Festival de Cannes em 2018, esta comédia dramática venceu o Grande Prémio da Semana da Crítica e o Palm Dog Award (melhor prémio para atuação canina).

Dia 14, às 17h, no Centro Cultural Português – Instituto Camões, entrada livre

“O Labirinto da Saudade” de Miguel Gonçalves Mendes

“O Labirinto da Saudade” é a adaptação da obra homónima de Eduardo Lourenço, uma das obras essenciais e fundamentais do século XX em Portugal. “É a vida que nos biografa”, escreveu o escritor e filósofo. Narrado e protagonizado pelo próprio Eduardo Loureço, falecido a 1 de dezembro de 2020,  o documentário questiona-se sobre o que nos define como nação e como povo numa viagem pela mente do filósofo e da história de Portugal.

“Mar” de Margarida Gil

Francisca embarca num veleiro com o dono da embarcação, uma artista de cabaré, um jovem africano e um sedutor como colegas de viagem para descobrirem juntos as rotas marítimas feitas pelos descobridores portugueses e assim dar uma volta de 90 graus à sua vida. Um filme dramático com a participação de  Maria de Medeiros, Pedro Cabrita Reis, Catarina Wallenstein, Nuno Lopes, Dinis Gomes, Marcello Urgeghe e Augusto Amado.

Dia 17, às 18h30, na Cinémathèque, tarifa do cinema

“Alis Ubbo” de Paulo Abreu

“Alis Ubbo” (“porto seguro” em fenício”) conta as mudanças urbanística de Lisboa dos ultimos anos. Como guia, desta cidade que sofreu mudanças paisagísticas e humanas, tem-se um condutor de tuk tuk. 


Dia 18, às 21h, na Cinémathèque, tarifa do cinema

“O Grande Kilapy” de Zézé Gamboa

A comédia dramática protagonizada por Lázaro Ramos, Pedro Hossi, João Lagarto, Patrícia Bull e São José Correia conta a história de Joãozinho, uma jovem mestiço oriundo de uma família rica e que só quer diversão, companhias femininas e algumas tramóias. São os roubos no próprio banco que levam-o para a prisão, onde é recebido como um herói. Através Através deste personagem fictício e da sua história de humor que desenrola a história da luta pela independência de Angola e o fim do colonialismo.

Dia 19, às 18h30, na Cinémathèque, tarifa do cinema

Motel X

Mais uma vez, o Festival de Terror de Lisboa é parceiro e apresenta quatro curtas e conta com a presença de alguns convidados.

“A Terra do Não Retorno” de Patrick Mendes

“Sink Away” de Flix Cognard

“A Mulher Que Viveu Três Vezes” de Carlos Alberto Carrilho

“O Lobo Solitário” de Filipe Melo

Dia 13, às 20h00

"Anthony Braxton Diamond Curtain Wall Trio"  

Anthony Braxton é um criador incansável e um dos mais influentes artistas da música contemporânea. Saxofonista com mais de 360 obras publicadas faz a sua estreia na Philharmonie com 76 anos.

Dia 16, às 20h00, na Philharmonie  

Tabea Zimmermann

Tabea Zimmermann, violinista alemã, apresenta-se com a Orquestra Festival de Budapeste. Vão interpretar obras de Schumann, Debussy e Ravel .


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Festival de Cinema Português está de regresso ao Grão-Ducado já a partir desta sexta-feira, com o filme "Bem Bom" a ser exibido na sessão de abertura. Até dia 19, são muitas e variadas as produções portuguesas para ver na capital luxemburguesa.
Filme "Bem Bom", que retrata a história da girls band portuguesa, Doce.
Vamos poder ver a top model, sem asas, no filme "Carga" que passa no Festival de Cinema Português no Luxemburgo. Um acontecimento com outras descobertas, como a "Peregrinação" de João Botelho.
O meu “coup de coeur” de Cannes é até agora um filme luso-brasileiro. A única longa metragem portuguesa na seleção oficial é um belíssimo filme do brasileiro Cacá Diegues: “O Grande Circo Místico”.
Vincent Cassel, o francês mais brasileiro da Sétima Arte, em “O Grande Circo Místico”.
Quinzena de Cinema Português no Luxemburgo
Todos sabemos que quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou decidimos aceitar o convite da tia Maria José para jantar, ela que já nos anda a dizer para ir lá a casa há três Verões...
Quando a francesa Fanny Ardant dirige uma paleta de grandes actores europeus, o resultado chama-se “Cadências Obstinadas”