Escolha as suas informações

Cannes 2015 : O império português contra-ataca
Miguel Gomes levou  "As mil e uma noites" até Cannes

Cannes 2015 : O império português contra-ataca

Miguel Gomes levou "As mil e uma noites" até Cannes
Cultura 4 min. 20.05.2015

Cannes 2015 : O império português contra-ataca

É impossível ser-se português no festival de Cannes e não falar, ou ouvir falar, do filme de Miguel Gomes “As mil e uma noites”. Esta trilogia surpreendente não está sequer na competição oficial, participando na Quinzena dos Realizadores, uma secção paralela do festival. Este ano não se pode dizer a ninguém em Cannes “sou português” sem que o interlocutor pergunte: “e então que achaste do filme do Miguel Gomes?”.

É impossível ser-se português no festival de Cannes e não falar, ou ouvir falar, do filme de Miguel Gomes “As mil e uma noites”. Esta trilogia surpreendente não está sequer na competição oficial, participando na Quinzena dos Realizadores, uma secção paralela do festival. Este ano não se pode dizer a ninguém em Cannes “sou português” sem que o interlocutor pergunte: “e então que achaste do filme do Miguel Gomes?”.

À hora que escrevo estas linhas o filme ainda não tinha sido projectado na sua totalidade. Eu explico. Trata-se de uma trilogia, os organizadores da Quinzena dos Realizadores decidiram apresentá-lo em três dias distintos e até agora ainda só foram visualizados os dois primeiros. Os cinemas portugueses vão ter direito ao mesmo sistema de projecções: o primeiro filme sai no final de Junho, o segundo em Julho e a trilogia completa-se em Agosto. No total são mais de seis horas de cinema que Miguel Gomes foi rodando sem saber muito bem o que ia acontecer – como aliás tinha feito com “Meu querido mês de Agosto”.

No site dedicado ao filme, que Miguel Gomes começou a escrever ainda antes de lançar as filmagens, o cineasta explica que “devido à natureza do projecto esta sinopse de filme vai cada vez menos se parecendo com uma sinopse”. “Na realidade, as histórias de Xerazade nesta nossa versão de 1001 Noites baseiam-se em eventos que ainda não tiveram lugar – aqueles que se irão passar em Portugal durante os próximos 12 meses”.

E Gomes continua: “o que se pretende com este filme é fazer duas coisas em simultâneo: 1) retomar o espírito delirantemente ficcional de 1001 Noites e sobretudo reafirmar com ele e através dele o vínculo que une o Rei e Xerazade (a imperiosa necessidade de histórias); e 2) traçar um retrato ou uma crónica de Portugal durante um ano (num momento em que o país está sujeito aos efeitos da “austeridade” criados pelo programa de assistência financeira da Troika). Ficção e retrato social, tapetes voadores e greves. Aparentemente dimensões que não estão ligadas ou pelo menos que nos habituamos a arrumar em diferentes gavetas. Mas imaginário e realidade nunca puderam viver um sem o outro (e Xerazade bem o sabe)”. E o suspense do filme, resume o seu actor com humor, está sobretudo numa coisa: conseguirá Ali Babá sair da caverna antes da chegada dos 40 ladrões? Conseguirá Portugal evitar um segundo resgate financeiro e voltar aos mercados?

Obviamente o projecto era ambicioso, mas Miguel Gomes tem demonstrado que, mesmo com meios reduzidos, olha apenas a fins e consegue, pelo menos parcialmente, obtê-los. A crítica de Cannes teve reacções variadas mas, sem excepção, manifesta admiração pela ambição do português. Contar 1001 histórias da crise em Portugal não era tarefa fácil e, por isso, a vasta recolha de material obrigou os criadores do filme a optarem pelo formato de tríptico para poder conter tanta informação.

A primeira parte, “O inquieto”, confirmou que a vontade de contar histórias não falta a Miguel Gomes, e tal como a maior parte dos grandes nomes do cinema português, este também se libertou desde há muito das amarras dos géneros e das regras clássicas da Sétima Arte para as reinventar nas suas obras. “As mil e uma noites” começam como se estivéssemos perante um documentário sobre os estaleiros de Viana do Castelo, para logo depois descobrirmos as terríveis vespas asiáticas que assustam os minhotos. O filme oscila entre estas histórias, quase-reportagens, e as hesitações do realizador, em falta de inspiração e de soluções para o seu projecto, um pouco à imagem do país que se bate com a crise e as exigências dos seus credores.

A importância de “As mil e uma noites”, quer se goste ou não deste filme tantas vezes burlesco, foi de mostrar em Cannes que o cinema português tem sucessores de Manoel de Oliveira.

E no que respeita ao resto, ou seja, todo o festival e os candidatos à Palma de Ouro? O problema é sempre o mesmo. É extremamente difícil fazer prognósticos a meio do jogo, sem conhecer ainda metade dos intervenientes. A selecção de 2015 é extremamente espiritual, por vezes religiosa. Esta tendência sente-se em alguns dos filmes em competição, na secção Un certain regard e em muitos dos eventos paralelos que abordam cada vez mais essas temáticas.

Na primeira metade do festival, destacam-se dois nomes habitualmente aclamados na Croisette: Nanni Moretti e Todd Haynes, assim como o grego Yorgos Lanthimos, que assina um dos filmes mais estranhos da selecção oficial, e ainda o surpreendente húngaro László Nemes. Registe-se ainda a grande desilusão que chegou pela mão de Gus Van Sant ao assinar um filme que foi pateado e apupado durante a projecção na sala Lumière.

Antes de o festival acabar vamos descobrir Denis Villeneuve, num filme sobre agentes secretos, Paolo Sorrentino a dirigir Michael Caine e Harvey Keitel, Hou Hsiao Hsien a contar uma história da dinastia Tang e uma nova versão de Macbeth com Michael Fassbender. E claro, queremos ver o fim da trilogia de Miguel Gomes. Será que no filme Portugal se safa ou morre na praia como as baleias suicidas?

Raúl Reis, em Cannes


Notícias relacionadas

As Mil e uma Noites: Miguel Gomes na Presidência
O realizador que já é um dos grandes nomes do cinema português fora de portas obteve consagração internacional com “Tabu”, mas o êxito da trilogia “As Mil e uma Noites” ultrapassa todas as expectativas do realizador e dos seus produtores.
Xerazade viu-se grega a contar as histórias da crise portuguesa ao rei
Quinzena de Cinema Português no Luxemburgo: Como manter excelentes relações com a família
Todos sabemos que quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou decidimos aceitar o convite da tia Maria José para jantar, ela que já nos anda a dizer para ir lá a casa há três Verões...
Quando a francesa Fanny Ardant dirige uma paleta de grandes actores europeus, o resultado chama-se “Cadências Obstinadas”
Festival de Cannes 2015 : Cinema para Paris
Dizia-se em Portugal, a partir dos anos 70, que muitos dos nossos cineastas faziam filmes para mostrar em Paris em vez do nosso país. A expressão foi cunhada para definir, ironicamente, o cinema português que recebia influências da nova vaga francesa e de outras tendências que se seguiram.
Este ano, Miguel Gomes vai à Quinzena dos Realizadores, em Cannes, para apresentar o seu novo trabalho "Mil e uma noites"
Famel Top Secret: Os entusiastas
Portugal esteve quase sempre ausente do mercado automóvel e das motas. Como fabricante, obviamente. No domínio das quatro rodas, houve tentativas que marcaram a história. Quem não se lembra do jipe UMM, que ainda hoje é procurado pelos mais nostálgicos?
“Famel Top Secret”, sobre as populares motas portuguesas com o mesmo nome, estreia sexta-feira no cinema Ariston