Óbito

Editora portuguesa destaca a sua luta de Liu Xiaobo pelos Direitos Humanos

O vencedor do Prémio Nobel de Paz de 2010, Liu Xiaobo faleceu hoje aos 61 anos na China.
O vencedor do Prémio Nobel de Paz de 2010, Liu Xiaobo faleceu hoje aos 61 anos na China.
Foto: REUTERS

A editora Marta Ramires, do Grupo LeYa, que publicou o livro "Não Tenho Inimigos, Não Conheço o Ódio", de Liu Xiaobo, que hoje faleceu aos 61 anos, na China, destacou o papel do escritor, na luta pelos Direitos Humanos.

“Lamentamos a morte do brilhante autor, professor e intelectual que foi Liu Xiaobo e, muito em particular, do ativista pelos direitos humanos e por reformas na República Popular da China”, afirmou à agência Lusa Marta Ramires.

A editora recordou a primeira publicação em Portugal, em 2011, do livro "Não Tenho Inimigos, Não Conheço o Ódio", de autoria do vencedor do Prémio Nobel de Paz de 2010.

Segundo comunicado da Casa das Letras, que chancelou a obra, Liu Xiaobo apresenta nela “os seus quase desconhecidos escritos e ensaios, que versam sobre características políticas e aspetos culturais chineses, bem como o papel crescente da China no contexto internacional”.

A casa editora do Grupo LeYa destacou na obra “os ensaios sobre a eleição de Barack Obama e sobre o massacre de Tiananmen”.

Liu Xiaobo “também mostra o seu lado mais sensível e delicado, enquanto escritor, com um surpreendente conjunto de poemas, que mais não são do que um retrato vivo do que é o passado, presente e futuro desta cultura milenar”, acrescentou a Casa das Letras.

Liu Xiaobo morreu hoje, vítima de cancro do fígado, num hospital de Shenyang, no nordeste da China, onde estava internado desde 26 de junho, depois de ter passado mais de oito anos preso por “subversão”.

O Comité Nobel da Paz, que distinguiu Liu Xiaobo em 2010, acusou o Governo da China de ter “uma pesada responsabilidade na morte prematura” do dissidente, ao privá-lo de “tratamento médico adequado”.

Para a organização Human Rights Watch, a morte do dissidente chinês Liu Xiaobo “mostra a crueldade” do Governo da China em relação aos defensores pacíficos dos Direitos Humanos e da democracia.

Guterres lamenta morte de Liu Xiaobo

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lamentou hoje a morte do ativista chinês Liu Xiaobo, prémio Nobel da paz, que morreu vitima de cancro no hospital, sob custódia, depois de quase nove anos numa prisão na China.

Guterres está “profundamente triste” com a morte de Liu e “apresentou as suas condolências à família e amigos”, disse o seu porta-voz numa conferência de imprensa.

Ao contrário de outros líderes, o secretário-geral da ONU evitou fazer apelos ao governo chinês sobre a situação da viúva do ativista, Liu Xiaobo, que está sob prisão domiciliar.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.