Escolha as suas informações

Biblioteca Nacional do Luxemburgo expõe uma das primeiras versões d'Os Lusíadas
Cultura 2 min. 28.09.2022
Literatura

Biblioteca Nacional do Luxemburgo expõe uma das primeiras versões d'Os Lusíadas

Literatura

Biblioteca Nacional do Luxemburgo expõe uma das primeiras versões d'Os Lusíadas

Cultura 2 min. 28.09.2022
Literatura

Biblioteca Nacional do Luxemburgo expõe uma das primeiras versões d'Os Lusíadas

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Uma das versões da obra épica da literatura portuguesa será exibida na "Le Portugal au Luxembourg à travers les âges", que estará patente até ao final do ano na Biblioteca Nacional.

A Biblioteca Nacional do Luxemburgo (BNL) vai expor uma das primeiras versões de 'Os Lusíadas', de Luís Vaz Camões, no âmbito da sua exposição "Le Portugal au Luxembourg à travers les âges".

A propósito das comemorações do 450º. aniversário da primeira edição de "Os Lusíadas", assinalados este ano, o Leitorado de Português na Universidade do Luxemburgo, com o apoio do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua e em colaboração com a Biblioteca Nacional do Luxemburgo, propôs a integração de uma das primeiras versões desta obra na mostra promovida pela BNL. Cristophe Marinheiro dará uma conferência em novembro, alusiva à exposição. O especialista em História do Pensamento está encarregado da recolha e do processamento de documentos para as coleções ibéricas, bem como para a coleção de impressões raras e preciosas da Biblioteca Nacional.

Na exposição, que será inaugurada na presença do Embaixador de Portugal no Luxemburgo, António Gamito, a 3 de outubro, além da obra épica de Luís Vaz de Camões, que foi publicada pela primeira vez a 12 de março de 1572 pelo tipógrafo António Gonçalves, em Lisboa, serão exibidos símbolos do intercâmbio entre Portugal e o Luxemburgo muito antes da onda emigração portuguesa dos anos 70, do século XX, com a apresentação de várias peças que percorrem os tempos desde o século XV.


“Antes de lhes construírem as casas, os portugueses ensinaram aos luxemburgueses o que era cultura”
Quando os historiadores começaram a tirar dos caixotes os livros do tesouro literário do Luxemburgo fizeram uma descoberta extraordinária.

Em 2019, Cristophe Marinheiro mostrava ao Contacto como a marca portuguesa no território do Grão-Ducado esteva impressa nos livros muito antes de estar nos telhados e nas paredes das casas dos luxemburgueses construídas com o suor luso. 

"Antes de andarem a construir casas para os luxemburgueses, os portugueses ensinaram-lhes o que era o pensamento e a cultura", afirmou então o especialista da BNL. Na reportagem, o bibliotecário salientou ser "verdadeiramente incrível encontrarmos livros de autores portugueses do final do século XVI e início do século XVII impressos numa tipografia luxemburguesa”.

Uma tradução latina da obra do padre António Vieira, livros de matemática e astronomia de Pedro Nunes, uma retória de Cipriano Soares ou a gramática latina de Emanuel Álvares são alguns dos exemplares de herança portuguesa que se podem encontrar na Biblioteca Nacional do Luxemburgo.

A exposição "Le Portugal au Luxembourg à travers les âges", estará patente ao público até 31 de dezembro e no dia 7 de novembro, às 19h, haverá uma conferência sobre a exposição, na BNL, a cargo de Christophe Marinheiro.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Exposição “Para Sempre”
Stéphanie de Lannoy, a grã-duquesa herdeira do Luxemburgo, visitou esta segunda-feira a exposição “Para Sempre”, no Instituto Camões, na presença do artista plástico Miguel Branco.
Stéphanie visitou o Centro Cultural Português acompanhada pelo autor da exposição, Miguel Branco.