Escolha as suas informações

Ativistas detidos depois de se colarem a quadros de Goya no Museu do Prado
Cultura 06.11.2022
Clima

Ativistas detidos depois de se colarem a quadros de Goya no Museu do Prado

Clima

Ativistas detidos depois de se colarem a quadros de Goya no Museu do Prado

Foto: AFP
Cultura 06.11.2022
Clima

Ativistas detidos depois de se colarem a quadros de Goya no Museu do Prado

Redação
Redação
Dois ativistas que protestaram contra as alterações climáticas no famoso museu de Madrid foram detidos este sábado acusados de perturbação da ordem pública e de causarem danos.

Dois ativistas contra as alterações climáticas foram detidos este sábado, pela polícia espanhola, depois de terem usado como alvo do seu protesto pinturas de Francisco de Goya, no Museu do Prado, em Madrid.


"Rapariga com Brinco de Pérola", do holandês Johannes Vermeer, foi a terceira de uma sequência de pinturas célebres que em quinze dias foram visadas pelo grupo “Acabem com o petróleo”-
Depois de "Os Girassóis", ativistas atacam "Rapariga com Brinco de Pérola"
A primeira destas ações radicais aconteceu na National Gallery, em Londres, quando a 14 de outubro duas ativistas do mesmo grupo "“Acabem com o petróleo” atiraram sopa de tomate sobre a obra de Van Gogh.

Além de terem colado as mãos às molduras dos quadros “A Maja Nua” e “A Maja Vestida”, os ativistas - um rapaz de 18 anos e de uma mulher de 21 anos -   escreveram "+1,5°" na parede entre os dois quadros, em referência ao anúncio da ONU sobre a impossibilidade de cumprir o Acordo de Paris sobre mudanças climáticas.  

A mensagem, segundo cita a agência EuropaPress, serviu para alertar para o "aumento da temperatura global que causará um clima instável e graves consequências em todo o planeta".  

Os dois ativistas foram acusados de perturbação da ordem pública e de causarem danos, já que o Museu do Prado confirmou que, apesar de as obras não terem sido danificadas, as suas molduras foram, em particular a de "A Maja Nua".

Os detidos, que tinham consigo um mapa com instruções de segurança, fazem parte da organização ambientalista Futuro Vegetal, que publicou as imagens da ação na rede social Twitter este sábado.

A sala onde estão localizadas aquelas obras de Goya foi reaberta depois de a galeria ter decidido fechá-la para avaliar os danos, conforme avançou o museu em comunicado, onde sublinha a sua "condenação e rejeição" à ação.


Membros do grupo 'Just Stop Oil' colaram as mãos à parede onde está o quadro
Ativistas atiram sopa de tomate a quadro de Van Gogh
As duas pessoas, que vandalizaram o quadro "Girassóis" (1888), foram detidas pela Polícia Metropolitana de Londres.

Também o ministro da Cultura espanhol, Miquel Iceta, manifestou no Twitter a sua "absoluta rejeição" ao que considerou ser "um ato de vandalismo".

Este protesto soma-se a outros que ocorreram nas últimas semanas, em algumas instituições museológicas do Reino Unido, Alemanha, Itália e Países Baixos, com obras de pintores de renome mundial.

Com Lusa

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.