Escolha as suas informações

"Another Round". O Thomas paga mais uma rodada
Cultura 2 min. 15.01.2021

"Another Round". O Thomas paga mais uma rodada

"Another Round". O Thomas paga mais uma rodada

Foto: DR
Cultura 2 min. 15.01.2021

"Another Round". O Thomas paga mais uma rodada

António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
Apenas dois anos depois de "Kursk", um filme submarino, Thomas Vinterberg regressa ao seu cinema habitual com "Another Round" (mais uma rodada, em português), um filme que nos leva até às obras clássicas do realizador dinamarquês, "Festen" ou "The Commune".

Apenas dois anos depois de "Kursk", um filme submarino, Thomas Vinterberg regressa ao seu cinema habitual com "Another Round" (mais uma rodada, em português), um filme que nos leva até às obras clássicas do realizador dinamarquês, "Festen" ou "The Commune".

Trata-se de um regresso vitorioso, com um filme tão emocionante quanto triste. Uma obra que começa com a alegria da juventude, com corpos de adolescentes ao redor de um lago, onde o álcool flui como água, mas também com vómitos dos jovens.

O tom do filme fica logo definido. E se o espetador tiver experiências traumáticas com o álcool, ou com alcoólicos, é melhor escolher outra projeção... Feitas estas reservas, note-se que o filme de Vinterberg merece toda a nossa atenção. O realizador dinamarquês reencontra neste filme um vigor do qual tínhamos saudades.

Este é o seu melhor filme dos últimos anos, com um tema original, um tema forte e que tem perdido destaque no cinema por existirem assuntos ligados às dependências considerados como mais atuais.

Em "Another Round", quatro amigos decidem colocar em prática a teoria de um psicólogo norueguês segundo a qual as pessoas têm deficiência de álcool no sangue desde o nascimento. Com "rigor científico", todos aceitam o desafio de se alcoolizarem para tentar chegar a uma vida melhor.

Thomas Vinterberg aborda circunstâncias trágicas com uma certa ligeireza: a comédia nunca está longe, mas o drama também não. "Another Round" é um híbrido profundo, engraçado e comovente, mas é igualmente um hino à embriaguez, à alegria e à ligeireza.

Vinterberg assina uma espécie de aventura coletiva, um "road movie" da vida, onde o álcool se torna uma fonte de libertação, uma catarse para as personagens. Aqueles homens vão descobrindo o gosto pela inocência e pela alegria de fazer coisas estúpidas. Thomas Vinterberg tem claramente um olhar benevolente sobre as suas personagens, longe de qualquer hipocrisia, mostrando um mundo onde o consumo de álcool é altíssimo e socialmente aceite.

O realizador chega ao ponto de se dedicar a uma curta sátira política integrando chefes de Estado, como Nicolas Sarkozy ou Bill Clinton. Quando se examina um pouco, "Another Round" revela-se como um filme enganosamente leve e profundamente melancólico sobre o nosso estilo de vida. O filme atua com uma força silenciosa, não se esquecendo de capturar a nossa sociedade com emoção.

"Another Round" é um filme sobre a depressão, o afastamento do trabalho, sobre vidas tristes onde se esquece de viver ou de amar. Essas escolhas de vida refletem-se na cara magnética do ator Mads Mikkelsen que oferece um desempenho poderoso e forte, interpretado com a precisão a que nos habituou este ator ímpar.

O resto do elenco não deve ser esquecido. "Another Round" é um filme de grupo e Vinterberg foi à procura de artistas talentosos para dar a Mikkelsen a melhor réplica possível.

A fotografia deste filme é de grande beleza. Às vezes é seco e preciso, às vezes é macio e quente. São abordagens estéticas que funcionam maravilhosamente bem, com luzes naturais, que conseguem capturar a atmosfera especial do norte da Europa.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Irrational Man: O lado selvagem
Espero que o director me perdoe mas neste regresso após o Verão não me apetece falar dos 'blockbusters' estivais. Não irei, por isso, analisar a nova tirada da série "Mission Impossible" nem as aventuras de um super-herói que diminui para ficar do tamanho de uma formiga. Recuso-me a falar dos filmes de animação que fizeram o prazer dos veraneantes mais pequenos. Também não me apetece contar nada sobre filmes dedicados às desventuras de alguns jovens envolvidos em histórias de terror recicladas. E tão pouco mencionarei o novo "O Pátio das Cantigas" que muitos de nós fomos ver durante as férias em Portugal.
?Irrational Man?�