Escolha as suas informações

"Amor Amor". Covid-19 impede gravações da novela no Luxemburgo
Cultura 8 8 min. 14.01.2021

"Amor Amor". Covid-19 impede gravações da novela no Luxemburgo

O diretor musical da telenovela, Toy e o ator principal, Ricardo Pereira, numa cena de "Amor, Amor".

"Amor Amor". Covid-19 impede gravações da novela no Luxemburgo

O diretor musical da telenovela, Toy e o ator principal, Ricardo Pereira, numa cena de "Amor, Amor".
Foto: DR
Cultura 8 8 min. 14.01.2021

"Amor Amor". Covid-19 impede gravações da novela no Luxemburgo

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
A nova novela da SIC é centrada na história de uma família portuguesa emigrante no Luxemburgo e de um cantor popular. Autora, Ricardo Pereira e Toy contam ao Contacto os segredos deste projeto que é líder de audiências.

Desde que estreou há semana e meia que a novela "Amor Amor", emitida no horário nobre da SIC, tem liderado as audiências em Portugal, com cerca de 1,5 milhões de espetadores a prenderem-se à história do casal de emigrantes portugueses no Luxemburgo, 'Bruno' (interpretado por Paulo Rocha) e 'Linda' (Joana Santos) e da sua filha 'Mel' (Filipa Nascimento). E do "rei" da música portuguesa 'Romeu Santiago', a verdadeira paixão de 'Linda' e o verdadeiro pai de Mel, que vive em Penafiel, onde decorre a maior parte da história.

Até agora o Grão-Ducado aparece na novela através de imagens aéreas do país e as cenas da história passadas no Luxemburgo têm sido gravadas em Portugal. A razão? A covid-19. Como conta ao Contacto Ana Casaca, a autora de "Amor Amor" a "novela começou a ser gravada em outubro já em plena pandemia, e por razões de segurança sanitária, dos atores e produção não viajámos ainda para o Luxemburgo, o que para mim é uma pena".

Também o protagonista Ricardo Pereira que dá vida ao vaidoso e divertido cantor de música popular, 'Romeu Santiago', diz ao Contacto que se não fosse a covid-19, o elenco estaria a "gravar as cenas no Luxemburgo". "Teríamos começado lá a novela, mas quem sabe se ainda não iremos lá até ao final das gravações. A vontade é muita", vinca Ricardo Pereira que "está ansioso" por descobrir o Grão-Ducado e a comunidade portuguesa.

"Já estive uma vez de passagem pelo Luxemburgo, fui lá só para assistir a um concerto e fiquei com muita vontade de conhecer bem o país. Então agora com esta minha personagem e a história da novela a vontade ainda é maior". Para Ricardo Pereira é sempre muito bom gravar "no ambiente verdadeiro onde a história é passada e conhecer as suas gentes, neste caso, os portugueses que residem no Luxemburgo". 

Aliás, por norma, as novelas da SIC têm sempre sido gravadas nos locais fora de Portugal, onde decorre a história da trama, esta vez foi exceção. E a história de "Amor Amor" começa nos anos 80, precisamente, com a fuga repentina da jovem 'Linda' para o Luxemburgo, após acreditar que tinha morto o pai do namorado 'Romeu Santiago' ao defendê-lo e que este a tinha traído.

Também o cantor Toy que é o diretor musical de "Amor Amor" confessa o desejo de poder ir com os atores "gravar cenas ao Luxemburgo", um país que conhece "muito bem" e onde já perdeu a conta aos concertos que realizou, "talvez uns 15 ou mais". "Tenho muitos bons amigos no Grão-Ducado, e estou sempre pronto para voltar", basta haver a oportunidade ou um convite, diz ao Contacto.

O Luxemburgo em Sintra

Onde são então gravadas as cenas do Luxemburgo? A escolha da produção sobre o melhor local em Portugal com um cenário o mais semelhante possível ao do Grão-Ducado recaiu em Sintra, pela semelhança com as construções "medievais e paisagens verdejantes", explica Ana Casaca reconhecendo que "tem sido um pequeno milagre" produzir esta novela em tempo de pandemia. É em São Pedro de Sintra que os atores têm gravado os exteriores da trama, sendo que o café 'Chez Ribeiro', da família de 'Linda' e Bruno no Luxemburgo foi criado em estúdio, como os restantes ambientes interiores.

E qual foi a razão para que Ana Casaca elegesse o Luxemburgo como país de acolhimento de uma das famílias protagonistas? "A SIC quis uma novela ligada à música popular portuguesa e eu associo sempre esta música à emigração, e sempre que penso na emigração portuguesa, pela qual sempre tive o maior respeito, associo logo à comunidade portuguesa do Luxemburgo, pela forte presença que tem no país", revela a autora que ainda não conhece o Grão-Ducado, mas espera em breve poder realizar esse "desejo".

Contudo, a autora tem uma ligação próxima ao fenómeno da emigração. "A minha tia esteve mais de trinta anos emigrada na Suíça" e "sempre tive um fascínio muito grande pelos emigrantes que deixam o seu país, mas mantêm sempre uma ligação muito forte a Portugal, à música e tradições, onde quer que estejam". Um interesse que leva Ana Casaca a assistir aos programas televisivos ou documentários sobre a emigração portuguesa.

Para a autora da história o segredo do sucesso desta novela está "na união entre a música popular portuguesa", com o cantor 'Romeu Santiago', a 'Mel' e das bandas como a dos 'Bigodes Marotos', "e a história centrada na nossa emigração", uma realidade vivida por milhões de portugueses. Além "do maravilhoso trabalho do elenco que é espetacular" e da "produção", vinca Ana Casaca dizendo sentir-se "muito orgulhosa e feliz" com este projeto.

Fernanda Batalau, empresária portuguesa, chegou ao Luxemburgo há 30 anos.
Fernanda Batalau, empresária portuguesa, chegou ao Luxemburgo há 30 anos.
Foto: DR

Um "grande orgulho"

A direção musical de "Amor Amor" está a cargo do cantor Toy, ele próprio um ex-emigrante, tendo vivido vários anos na Alemanha. Todas as músicas que os atores do elenco cantam, "cerca de vinte canções ao todo", como as de 'Romeu Santiago' ou 'Mel' foram compostas por Toy que também tem sido o 'professor' do elenco na difícil arte de cantar e atuar em palco.

"Para mim é um grande orgulho a novela ser líder de audiências e tem sido muito divertido e gratificante ensinar os atores. Eles não são cantores, alguns só cantavam no duche", diz a rir. "Têm sido fantásticos e o resultado está à vista", refere Toy. De vez em quando, este artista aparece na história, mas "a fazer de mim próprio para dar um toque de veracidade à ficção".

Para dar vida ao cantor popular de sucesso 'Romeu Santiago', Ricardo Pereira tem trabalhado afincadamente na vertente artística. "Junto à atuação há a cantoria e tem sido um esforço muito grande, uma dedicação de 24 horas por dia, com muitas horas de aulas de canto, de guitarra, de voz, mas que tem valido a pena. Tem sido um prazer e tenho descoberto em mim um outro lado", confessa o protagonista agradecendo a Toy tudo o que lhe tem ensinado e todo o seu "empenho e dedicação". 2Tem sido espetacular trabalhar com o Toy, é um grande amigo, um grande cantor e produtor".

"Estou a amar fazer esta personagem e é uma honra para mim que ela esteja ligada à emigração, aos portugueses e comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo", salienta Ricardo Pereira. E lembra que ele próprio tem desde há 16 anos, vivido a maior parte do tempo no Brasil, devido à sua participação em novelas da Globo.

Concerto no Luxemburgo

Também Toy que já foi emigrante na região de Dortmund, na Alemanha, realça o "orgulho que tem em fazer parte de uma novela que homenageia a nossa emigração e a nossa música". "Só quem vive no estrangeiro é que percebe o valor que Portugal tem para cada um de nós, quando estamos longe descobrimos o quanto amamos o nosso país e as saudades que temos", admite o cantor que aos 17 anos foi viver para a Alemanha e por lá ficou durante quase oito anos.

"Naqueles tempos na Alemanha, felicidade para mim era poder deliciar-me com posta de bacalhau, um vinho português e um maço de tabaco SG", conta. E mesmo atualmente, apesar das "distâncias terem encurtado graças à globalização e às tecnologias um emigrante sente sempre saudades de Portugal".

Aos 25 anos, Toy que casou e teve um filho na Alemanha decidiu regressar a Portugal. "O meu filho tinha cinco anos e ia ingressar no sistema escolar. Decidimos voltar e matriculá-lo cá pois sabíamos se ele começasse lá não voltaríamos tão cedo". Tal como Toy também Ricardo Pereira garante que logo que possa quer subir ao palco no Luxemburgo.

"Quem sabe se o 'Romeu Santiago' não irá acabar por dar um concerto no Luxemburgo e fazer uma tournée pelas comunidades portuguesas", equaciona este protagonista. "Acredito que lá para o verão a pandemia está controlada. Amigos do Luxemburgo tenham um pouco mais de paciência, em breve, vamos voltar a estar juntos num grande concerto a seguir ao verão", promete Toy.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

“O Luxemburgo sofreu um processo de lusificação”, diz investigadora
A investigadora luxemburguesa Aline Schiltz estuda a emigração portuguesa para o Luxemburgo desde 2003. A viver entre Lisboa e o Grão-Ducado, a geógrafa, de 35 anos, é autora de vários estudos sobre os portugueses, incluindo uma tese de doutoramento em que analisa a mobilidade entre os dois países. Diz que o Luxemburgo se “lusificou” e que a emigração portuguesa levou à criação de um “espaço transnacional” que podia servir de modelo para uma Europa sem fronteiras.
Editorial: Que idade tem a comunidade portuguesa?
O CONTACTO festeja este ano o seu 45° aniversário. O jornal foi fundado em Janeiro de 1970, para informar a comunidade portuguesa no Luxemburgo. Ao comemorarmos esta data, surgiu-nos uma questão natural. Em que ano exacto situar o início da emigração portuguesa para o Luxemburgo?
Em Junho de 1965 uma missa na catedral do Luxemburgo juntou meio milhar de portugueses para celebrar pela primeira vez o Dia de Portugal no Grão-Ducado.
Depois disso houve um almoço eu ma festa. Foi o primeiro evento organizado pela comunidade portuguesa no Grão-Ducado de que há registo
Cantora belga de origem portuguesa: Wendy Nazaré estreia-se em concerto no Luxemburgo
É uma das novas promessas da música pop-folk e fala português. Wendy Nazaré tem dois álbuns editados na Bélgica – “Pas de pareil” (2009) e “À tire d’ailes” (2012) – e vai estar pela primeira vez no Luxemburgo no próximo sábado, dia 29 de Novembro, na Kulturfabrik. Para Wendy, o concerto vai ser um reencontro com o seu lado português.
Wendy Nazaré e a sua música são o resultado de uma mestiçagem com influências de vários cantos do mundo