Escolha as suas informações

"Além-fado": Concerto de pré-abertura do Festival Atlântico esta noite no Camões
O Centro Cultural Português fica na Place Joseph Thorn, n° 4, na cidade do Luxemburgo.

"Além-fado": Concerto de pré-abertura do Festival Atlântico esta noite no Camões

Foto: Steve Eastwood
O Centro Cultural Português fica na Place Joseph Thorn, n° 4, na cidade do Luxemburgo.
Cultura 3 min. 05.10.2017

"Além-fado": Concerto de pré-abertura do Festival Atlântico esta noite no Camões

O pianista João Vasco atua esta noite no Centro Cultural Português - Camões, em Merl, na capital, no concerto de pré-abertura do Festival Atlântico.

O pianista João Vasco atua esta noite no Centro Cultural Português - Camões, em Merl, na cidade do Luxemburgo, no concerto de pré-abertura do Festival Atlântico. O músico interpreta composições do álbum "Além-Fado", que resulta de uma encomenda feita pelo pianista e pelo Museu do Fado a oito músicos do universo do jazz e da música erudita/contemporânea.

O espetáculo, que arranca às 20h no Centro Cultural Português, tem entrada livre, marca a pré-abertura do Festival Atlântico, que começa a 7 de outubro na Philharmonie.

Músicos de Portugal, Cabo Verde e Brasil vão estar nesta segunda edição do festival Atlântico,  com nomes como Carminho, Rodrigo Leão ou o cabo-verdiano Tcheka.

Rodrigo Leão atua a 8 de outubro no Grande Auditório da Philharmonie com o australiano Scott Matthew, com quem editou o álbum "Life is long", em 2016.

O músico cabo-verdiano Manuel Lopes Andrade, conhecido como Tcheka, vai estar na sala de música de câmara da Philharmonie a 11 de outubro.

A fadista Carminho e os brasileiros Filarmônica de Pasárgada encerram o festival, a 14.

Os portugueses The Legendary Tigerman e Maria João (que atua com o brasileiro Egberto Gismonti), e os brasileiros Roberta Sá e Vinícius Cantuária, completam o cartaz, que inclui 11 espetáculos em sete dias.

Criado no ano passado, o festival, que visa "celebrar as tradições musicais dos países lusófonos", foi "uma aposta bem sucedida", disse Francisco Sassetti, responsável da programação de Jazz e Música do Mundo na Philharmonie. "Quando organizámos o primeiro Festival Atlântico, não havia certezas de que iríamos fazer outra edição, mas tivemos vários concertos esgotados e muito público, e sobretudo uma grande atenção mediática", recordou o responsável.

Aumentar a "visibilidade" dos imigrantes lusófonos no Grão-Ducado é um dos "grandes objetivos" do evento, que este ano tem cartazes espalhados pela capital e em vários pontos no país. "A Philharmonie quer dar a conhecer melhor as culturas lusófonas, num país onde há cerca de 20% de pessoas que falam português, mas que não têm necessariamente um contraponto nas instituições culturais à altura destes números", explicou o responsável da programação.

Outro dos objetivos do festival é "tentar chegar a públicos" que habitualmente não vão à Philharmonie e "criar pontes" com outras instituições. Exemplo disso é o espetáculo de pré-abertura do festival, que acontece esta noite no Centro Cultural Português (CCP). "Temos ótimas relações com o CCP, e para nós é simbólico da vontade de criar pontes com outras instituições", disse o português.

Este ano o festival conta ainda com a participação da Orquestra Filarmónica do Luxemburgo, num concerto com a cantora brasileira Roberta Sá, o guitarrista Marcello Gonçalves e a clarinetista israelita Anat Cohen, além do maestro português Pedro Neves, com um programa que inclui composições de Luís de Freitas Branco e Heitor Villa-Lobos.

Tal como no ano passado, o festival inclui ainda atividades para o público jovem, com uma série de concertos do quarteto de acordeonistas português "Danças Ocultas". O espetáculo multimédia, produzido pela Philharmonie, tem por base "um conto adaptado para a ocasião", intitulado "As neves do Algarve", adiantou Francisco Sassetti, que antes de chegar à Philharmonie foi responsável pela programação de jazz no Centro Cultural de Belém.

____

20h - "Além-fado", com o pianista João Vasco

Centro Cultural Português - Camões

4, Place Joseph Thorn

L-2637 Luxemburgo


Notícias relacionadas

Philharmonie: Rodrigo Leão vai fechar segundo dia do Festival Atlântico
O Festival Atlântico arrancou hoje, sábado, com um concerto com projeção multimédia, indicado para toda a família, do quarteto Danças Ocultas que se repete amanhã, pelas 11h, 15h e 17h. Ao final da tarde atua o brasileiro Vinícius Cantuária e cabe a Rodrigo Leão fechar o segundo dia do festival que decorre na Philharmonie.
Rodrigo Leão e Scott Matthew
Philharmonie: Festival Atlântico aposta nas fusões musicais
Maria João, Rodrigo Leão, Carminho e Legendary Tigerman são alguns dos nomes apresentados para a edição deste ano do Festival Atlântico, na Philharmonie. Na apresentação da temporada, além dom programa habitual de música clássica, jazz e world music, é notório um novo horizonte musical, mais ecléctico e mais abrangente.
La chanteuse portugaise Carminho (Foto: Leo Aversa - Crédito obrigatório).
Francisco Sassetti: Um português na Philharmonie do Luxemburgo
Estudou música e aprendeu a tocar um instrumento, mas não é músico, apesar de a música correr nas veias de toda a família. É musicólogo, e já esteve na programação do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e na Orquestra de Jovens de Viena. Agora, aos 32 anos, Francisco Sassetti regressa ao Luxemburgo para assumir a programação do Jazz e Música do Mundo na Philharmonie.