Escolha as suas informações

A partir de sexta-feira: Arte brasileira e colombiana mostra-se em Merl
(Da esquerda para a direita): Valentin Legendre, curador da exposição, Patricia Endara, Carine Quadros e Ramtin Hormozirad, proprietário da galeria "The Art Connection"

A partir de sexta-feira: Arte brasileira e colombiana mostra-se em Merl

Foto: Manuel Dias
(Da esquerda para a direita): Valentin Legendre, curador da exposição, Patricia Endara, Carine Quadros e Ramtin Hormozirad, proprietário da galeria "The Art Connection"
Cultura 4 min. 18.05.2015

A partir de sexta-feira: Arte brasileira e colombiana mostra-se em Merl

A partir de sexta-feira e até 14 de Junho, a galeria de arte "The Art Connection", em Merl, na capital, vai expôr pinturas das brasileiras Carine Quadros e Rosana Faustino, bem como da colombiana Patricia Endara.

A partir de sexta-feira e até 14 de Junho, a galeria de arte "The Art Connection", em Merl, na capital, vai expôr pinturas das brasileiras Carine Quadros e Rosana Faustino, bem como da colombiana Patricia Endara.

A mostra intitulada “Au-delà des frontières” [Além das fronteiras], gira em torno da América Latina, da indignação das artistas com a política em geral, e a brasileira em particular, a saudade de seus países, a mistura com a cultura europeia, e a vida na Europa vista por artistas plásticas latinas.

Na vernissage da exposição, na sexta-feira, 22 de Maio, às 19h, além das obras das pintoras, os apaixonados pela arte vão poder ouvir boa música, beber vinho e apreciar gastronomia canarinha confeccionada pelo Maria Bonita, o restaurante brasileiro das Rives de Clausen. A entrada na vernissage é gratuita.

Há poucos dias da inauguração da mostra, o CONTACTO esteve na galeria para "bater um papo" com as artistas Carine e Patricia (Rosana não pôde estar presente nesse dia).

As duas artistas contam que vieram para a Europa por motivos pessoais, "foi por amor, mas também para aprender a falar francês". Contudo o que as mantém por cá, confiam, "não é somente a paixão, há muitas vantagens em morar na Europa". "Viver na Europa é muito seguro, organizado e as pessoas são respeitosas", diz Carine. As duas artistas dizem-se atraídas pela cultura, e Patricia, particularmente, pela arquitetura.

Mas a estadia na Europa tem o seu lado difícil. "Falta o sol e o calor, e assim que o frio chega fujo para o Brasil", conta Carine. As saudades da família também se fazem sentir. “Se eu estiver muito tempo aqui, começo a sentir falta da alegria, das pessoas, da bagunça”, diz a brasileira. "O equilíbrio entre Brasil e Europa é o ideal". 

Carine Quadros nasceu em Divinópolis, Minas Gerais, Brasil. É formada em artes cênicas pela Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro, e em moda pelo Instituto Europeu de Design. Carine iniciou-se na pintura com 17 anos na sua cidade natal, onde fez sua primeira exposição. Oriunda de uma família de artistas, a mãe de Carine, Maria das Graças, é artista plástica e trabalha com pintura em tecidos e porcelana. A tia escreve livros infantis e romances. Aqui no Luxemburgo, Carine estudou na "Ecole d'Art Contemporain", em Hollerich, e a partir daí apaixonou-se ainda mais pela arte moderna e contemporânea. As suas obras transitam por fases diferentes de acordo com a disposição e a fase da vida da artista. De momento, a artista diz que o que a inspira é "o actual momento que vive o Brasil, onde os políticos roubam e depreciam um país tão belo e com tantas riquezas naturais".  Nesta exposição, terá algumas telas com influência de triângulos em que faz alusão à várias tríades, como o início, o meio e o fim, ou o corpo, a alma e o espírito. É a primeira exposição de Carine Quadros no Gro-Ducado.

Patricia também confessa que sente falta "dos cheiros da Colômbia". Patricia Endara nasceu em 1968 em Santa Fé de Bogotá, na Colômbia, de um pai equatoriano e de uma mãe colombiana. O pai, Anibal Endara é famoso internacionalmente pelos seus retratos de paisagens e de personagens oficiais do governo colombiano. A mãe de Patricia é assistente social e a artista diz que esta lhe transmitiu o seu amor pelo ser humano. O avô foi um dos fundadores da primeira ópera de Bogotá. Patricia diz por isso que dificilmente conseguiria escapar ao meio artístico. Depois de uma carreira no campo da arte têxtil, Patricia fez estudos na Escola de Belas Artes da sua cidade natal. Em paralelo, formou-se em diversas técnicas de intervenção social. Trabalhou durante muitos anos para promover o artesanato na Colômbia, através da estrutura "EXPOARTESANIAS de Colombia". Quando chegou à Europa, a artista diz que se sentiu "inspirada pela riqueza das diferenças". Formou-se em arte-terapia e em criação têxtil na Academia de Belas Artes de Arlon (Bélgica). Actualmente, é facilitadora de oficinas de artes. Para esta exposição, Patricia quis ilustrar "vários aspectos do encontro entre o seu país e a sua terra de adopção. 

A artista brasileira Rosana Faustino
A artista brasileira Rosana Faustino
Foto: Manuel Dias

Quanto à terceira artista, Rosana Faustino (foto) nasceu em São Paulo, no Brasil. Vive há 15 anos no Grão-Ducado, onde já expôs em diversas mostras. Fisioterapeuta de formação, estudou Belas Artes, em Arlon (Bélgica). A artista recorre muitas vezes a grandes telas, nas quais apresenta uma visão alongada e fina das suas personagens "perdidas", que "meditam", procurando um lugar na sociedade.

O curador da mostra, Valentin Legendre confia ser "um apaixonado pela cultura latina, principalmente a brasileira" e diz que gostaria de deixar a mesma impressão aos visitantes da exposição. "A minha curiosidade pela cultura brasileira vai levar-me a ir morar para São Paulo durante algum tempo", conta Valentin ao CONTACTO.

A galeria "The Art Connection", propriedade de Ramtin Hormozirad, fica situada em Merl, na capital luxemburguesa (186, route de Longwy), ao lado do Teatro Nacional do Luxemburgo. 

Mais sobre este evento na página Facebook da exposição

Cíntia Ertel Silva


Notícias relacionadas