Alterações climáticas

Europa pode vir a ficar sujeita a inundações extremas muito frequentes - estudo

Foto: AFP

As grandes inundações costeiras no norte da Europa, que historicamente têm acontecido uma vez em cada século, podem começar a ser anuais se continuarem a aumentar as emissões de gases com efeito de estufa, indica um estudo hoje divulgado.

As projeções do estudo indicam mudanças no nível do mar, marés, ondas e tempestades ao longo do século, e sugerem que o aquecimento global pode levar a subidas excecionais do nível da água do mar ao longo das costas da Europa até 2100.

Essas subidas excecionais são os níveis extremos do mar que ocorrem durante uma tempestade e que levam a grandes inundações.

O aumento da frequência destes eventos, que até agora eram considerados excecionais, poderá por em causa as atuais estruturas de proteção costeira, deixando grande parte das costas da Europa exposta a inundações, de acordo com os autores do estudo, publicado na revista da União Geofísica Americana Earth´s Future.

“A menos que tomemos medidas de proteção, cinco milhões de pessoas serão expostas anualmente às inundações costeiras”, disse Michalis Vousdoukas, oceanógrafo do Centro de Investigação da Comissão Europeia e autor principal do estudo.

Segundo o documento, o norte da Europa verá o maior aumento de situações extremas no nível do mar. Regiões ao longo do Mediterrâneo e do Mar Negro podem também sofrer situações extremas mais do que uma vez por ano, neste século. E na região do Mar do Norte as águas podem subir um metro, no pior cenário.

E depois, acrescenta o estudo, as costas atlânticas do Reino Unido e da Irlanda podem ter também aumentos extremos do nível do mar, o mesmo acontecendo, embora com menos intensidade, na Noruega e mar Báltico.

Num cenário extremo, com as emissões de gases com efeito de estufa a aumentarem ao longo do século, o nível do mar ao longo da costa pode subir em média 81 centímetros em 2100.

Mesmo num cenário mais moderado esse aumento pode ser de 57 centímetros, segundo os autores do trabalho.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.